CIRCUNSTÂNCIAS DESALENTADORAS

tigre-As Escrituras registraram muitas dessas circunstâncias desalentadoras na vida dos fiéis. O profeta Elias, ao ver o povo deixando o Senhor e dobrando os joelhos perante Baal disse: “Tenho sido em extremo zeloso pelo Senhor, Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derribaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada; e eu fiquei só, e procuram tirar-me a vida” (I Reis 19:14). A esta altura, o profeta estava em rota de fuga e muito depressivo. Sentia-se totalmente desalentado! Outro homem de Deus que sentiu depressão e desalento foi o rei Davi. Salmo 12 diz: “Socorro, Senhor! Porque já não há homens piedosos; desapareceram os fiéis entre os filhos dos homens. Falam com falsidade uns aos outros, falam com lábios bajuladores e coração fingido”. No final deste Salmo vemos: “Por todos os lugares andam os perversos, quando entre os filhos dos homens a vileza é exaltada”. Salmo 14:1 e 3 – “Diz o insensato no seu coração: Não há Deus. Corrompem-se e praticam abominação; já não há quem faça o bem. Todos se extraviaram e juntamente se corromperam; não há quem faça o bem, não há nem um sequer”.

João Batista, o profeta que veio preparar o caminho do Senhor, aquele que pregava com ousadia e determinação, sentiu-se desalentado. No início de seu ministério, todos lhe saíam ao encontro (Mateus 3:5) e muitos até acreditavam que ele era o Messias. Mas ele sempre afirmava que Jesus Cristo é o Messias, não ele. Este servo de Deus, no final de sua vida encontrava-se preso e sem alento. A prisão é uma circunstância desalentadora para alguns e encorajadora para outros. João Batista estava desalentado em seus últimos dias, pois mandou chamar alguns discípulos e os enviou à Jesus para perguntar se Ele era realmente Aquele que estava para vir, isto é, o Messias, ou eles deveriam esperar um outro? (Mateus 11:2-6). Sabemos que no final da sua vida, sua cabeça foi cortada e entregue em uma bandeja à uma mulher perversa. Às vezes não entendemos os planos de Deus, pois vemos muitos cristãos sinceros e fiéis sofrendo até à morte. O apóstolo Paulo terminou seus dias em um calabouço frio, úmido e abandonado. Suas palavras finais em II Timóteo 4:9,10,16 é de alguém em circunstâncias desalentadoras: “Procura vir ter comigo depressa. Porque Demas, tendo amado o presente século, me abandonou e se foi para Tessalônica; Crescente foi para a Galácia, Tito, para a Dalmácia. Na minha primeira defesa, ninguém foi a meu favor; antes, todos me abandonaram. Que isto não lhes seja posto em conta!”.

Sabemos também de outros homens que morreram como um indigente, abandonado em uma prisão, onde o alento nesta vida não mais existia. Homens como Watchman Nee, perseguido e trancafiado devido à sua fé e amor para com Jesus Cristo, seu Senhor. Foi separado da esposa, e da igreja e colocado em uma minúscula prisão até a sua morte. Certamente estes homens de Deus, apesar das circunstâncias desalentadoras, não se revoltaram contra Deus; pelo contrário, permaneceram fiéis e amaram o Senhor até o fim. “Todos estes morreram na fé, sem ter obtido as promessas; vendo-as, porém, de longe, e saudando-as, e confessando que eram estrangeiros e peregrinos sobre a terra” (Hebreus 11:13). Certamente as palavras da primeira carta do apóstolo Pedro, capítulo 1 e versos de 6 à 9 eram vivas e alentadoras para estes grandes homens de Deus. “Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações, para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo; a quem, não havendo visto, amais; no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória, obtendo o fim de vossa : a salvação da vossa alma”.

Encontramos mais um desses heróis da fé que foram perseguidos e presos devido a pregação do evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. John Bunyan amava o Senhor e apesar da insistente ameaça das autoridades, ele continuava pregando o evangelho do Senhor. Sua própria esposa foi intimada para persuadi-lo a desistir do evangelho, no entanto, ela dizia que o amor do marido pelo Senhor Jesus era tão grande que ele jamais deixaria de falar deste amor. John Bunyan foi preso e lá, apesar das circunstâncias desalentadoras, não perdeu a fé e nem a comunhão com o seu Senhor. Como o apóstolo Paulo e Watchman Nee, na prisão, escreveu dois grandes clássicos da literatura cristã. O primeiro é conhecido em todo o mundo: “O peregrino”. O segundo livro é tremendo: “Graça abundante ao principal dos pecadores”. Mesmo passando por circunstâncias desalentadoras, Bunyan não se entregava à tristeza e desespero porque experimentou e desfrutou da maravilhosa graça do Senhor Jesus. As circunstâncias desalentadoras são terreno fértil para a graça do Senhor crescer. Estes momentos difíceis que os filhos de Deus passam neste mundo servem para que eles experimentem a graça de Deus e se alegrem em Cristo Jesus. Bunyan escreve: “Consideradas todas estas circunstâncias, engrandeço o Deus do céu e da terra, porque, por meio delas, Ele me trouxe ao mundo, a fim de participar da graça e da vida que estão em Cristo Jesus, mediante o evangelho”. Nas circunstâncias desalentadoras Bunyan experimentou o evangelho de Cristo de forma viva, real e profunda através da maravilhosa vida e graça de Cristo nele. Mesmo em meio às circunstâncias difíceis tipo, separação da esposa e filhos devido à prisão injusta e maldosa; pobreza, perseguição e sofrimento, Bunyan louvava a Deus. Porque um homem louva a Deus em meio ao sofrimento, como Paulo e Silas na prisão? (Atos 16:25). A resposta está em que, nestas circunstâncias, o Senhor é desfrutado em Sua graça de modo pessoal e profundo. Para Bunyan, participar da vida e da graça do Senhor Jesus, superava tudo e todas as circunstâncias. Para estes homens, Cristo e Sua graça bastavam para viver neste mundo tenebroso. Estes homens aprenderam a viver em Cristo, não mais na alma; angustiados e depressivos devido à circunstância desalentadora. Quando Cristo se tornar a nossa vida e o nosso tudo, não sofreremos pelas circunstâncias desalentadoras. Aliás, Deus usará estas circunstâncias para que Cristo seja formado em nós. Jesus Cristo e Sua graça são maiores do que qualquer sofrimento ou dor.

Regozijemo-nos em Jesus Cristo, nosso Amado, pela maravilhosa graça de poder viver a graça de Deus. Agora sabemos que aqueles que vivem na graça sabem que, com a graça de Deus, poderão viver alegremente em toda e qualquer circunstância. Filipenses 4:11 – “Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação”. O apóstolo Paulo foi alguém que ouviu da própria boca do seu Senhor que a Sua graça lhe bastava. II Coríntios 12:9 – “Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo”.

Sendo assim, cresçamos sempre na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. À Ele seja a glória, tanto agora como no dia eterno (II Pedro 3:18). Salmo 63:3 – “Porque a tua graça é melhor do que a vida; os meus lábios te louvam”.

Pr. Mario Tsuyoshi Yamakami

Comunidade Bíblica Regenerada

Maringá, Fevereiro de 2013.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s