A CONVICÇÃO DO PECADO

convicção_pecadoNo mundo evangélico acredita-se na manifestação de Deus de diversas formas. Uns acham que é o falar em língua estranha, outros quando caem em êxtases, outros quando vêem curas ou milagres e outros quando expulsam demônios. Todas estas coisas podem ser a manifestação misericordiosa de Deus, porém, pode ser também algo simulado pelos homens e até mesmo a manifestação demoníaca. Precisamos ficar atentos com as manifestações da alma, o apelo emocional. Mover em nível de alma é perigoso e enganoso. Sem dúvidas, um cristão sincero, em uma experiência íntima com Deus pode cair em alegria e louvor transbordante, isto esporadicamente. Se, em todos os cultos, o camarada quiser cair, rolar, gritar e subir as paredes é algo meio esquisito e não vejo paralelo na Bíblia para respaldar tais ações. O máximo que vejo na Bíblia é o demônio rolando no menino e, imediatamente o Senhor repreende e tudo termina em poucos segundos. Isto não se repetiu nas semanas seguintes de forma alguma (Mateus 17:14-18). Os evangélicos estão carecendo de conhecimento bíblico, por isso estão sendo enganados e destruídos. Precisamos voltar às Escrituras e ao centro de tudo que é Jesus Cristo. Sejamos como os Bereanos que sempre examinavam as Escrituras para ver se as coisas eram de fato verdadeiras e compatíveis com a Bíblia. Atos 17:11-12 – “Ora, estes de Beréia eram mais nobre que os de Tessalônica; pois receberam a palavra com toda a avidez, examinando as Escrituras todos os dias para ver se as coisas eram, de fato, assim. Com isso, muitos deles creram, mulheres gregas de alta posição e não poucos homens”. Precisamos aprender a receber a Palavra com toda a avidez, com vontade, animação e muita alegria; e, não com sono né? Precisamos examinar tudo que ouvimos sobre o reino de Deus. A palavra “examinar” é profunda e dá a idéia de esquadrinhar, não deixar passar nada, nem uma vírgula sequer. É algo sério! Quando estamos na Palavra, Deus abre entendimento para a salvação. Quando uma igreja anda na Palavra de Deus, ela é salva da perdição eterna e salva de enganos satânicos.

Temos, porém, evidências claras e irrefutáveis quanto à ação de Deus em uma pessoa. Uma dessas evidências é quando o Espírito Santo de Deus convence o camarada que ele é um pecador perdido e fedido diante das narinas de Deus. João 16:8-9 – “Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo; do pecado, porque não crêem em mim;”. Quando uma pessoa recebe a revelação de sua própria pecaminosidade, isto é uma prova concreta e real da atuação de Deus em sua vida. Isto é prenúncio de salvação! Isto é a manifestação da graça de Deus. Efésios 2:8 – “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus”.

Podemos ver na vida dos servos de Deus a revelação de seus pecados. Isaías, o profeta, no capítulo cinco proferia sentenças condenatórias contra o povo dizendo: “Ai dos que…”. Mas no capítulo seis ele tem a magnífica visão da glória de Deus. Ele diz: “No ano da morte do rei Uzias, eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublime trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo”. Ele viu também os Serafins clamando: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória. Neste momento, Isaías recebeu a revelação de sua pecaminosidade e temendo disse: “ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio de um povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos”. Em seguida, Deus tratou de sua iniqüidade e perdoou seus pecados. Que experiência magnífica! Isto é conversão, isto é salvação, isto é santificação!

No Salmo 51 vemos o rei Davi tendo esta tremenda revelação. Ele diz para Deus: “Pois eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. Pequei contra ti, contra ti somente, e fiz o que é mau perante os teus olhos, de maneira que serás tido por justo no teu falar e puro no teu julgar”. Tendo a convicção do seu pecado, Davi acabara de pedir para Deus purificá-lo: “Lava-me completamente da minha iniqüidade e purifica-me do meu pecado” (v.2). Após a revelação do seu pecado através do profeta Natã (II Samuel 12), Davi se arrepende e confessa-o diante de Deus. Salmo 32:5 – “Confessei-te o meu pecado e a minha iniqüidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao Senhor as minhas iniqüidades; e tu perdoaste a iniqüidade do meu pecado”. A revelação do pecado trouxe à Davi a convicção do seu pecado. Com esta revelação que veio de Deus através do profeta Natã, Davi recebeu também o arrependimento para buscar a face de Deus e confessar seus pecados. Até o arrependimento foi uma graça dada à Davi. O arrependimento vem de Deus sem o arrependimento o homem continuará no pecado e nas trevas. O pecador entra no reino de Deus quando as dores terríveis do arrependimento se manifestam em sua vida. Após isso, o Espírito Santo começa a formar Cristo em nós. Então, a nova vida se manifesta e esta vida só se manifesta porque houve um arrependimento consciente produzindo frutos dignos de arrependimento. O arrependimento é fundamental para o pecador. Sem arrependimento ele jamais alcançará o perdão e a nova vida. Como vem do Senhor, o pecador precisa orar pedindo com sinceridade para que o Senhor traga arrependimento em seu coração. Os puritanos chamavam o arrependimento de “dom das lágrimas”. Eles oravam constantemente pedindo a Deus para operar o arrependimento em seus corações. Davi recebeu a graça da revelação de seus pecados e também o dom do arrependimento, por isso confessou e alcançou o perdão divino. Quando tudo isto aconteceu, ele viu que era uma pessoa super feliz. Salmo 32:1-2 – “Bem-aventurado aquele cuja iniqüidade é perdoada, cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não atribui iniqüidade e em cujo espírito não há dolo”.

Em Lucas cinco vemos o Senhor Jesus indo de encontro com os pescadores dizendo: “Faze-te ao largo, e lançai as vossas redes para pescar”. Pedro e seus companheiros pescaram a noite toda e nada apanharam, mas foram porque o Mestre havia dito para irem. Ao obedecerem as palavras de Jesus, apanharam tantos peixes que as redes se rompiam. Em vista deste milagre, Pedro aproximou-se de Jesus e disse: “Senhor, retira-te de mim, porque sou pecador”. Alguns minutos atrás Pedro via a Jesus como um Mestre, após este sinal, ele se prostrou diante de Jesus e confessou-O como Senhor e confessou-se pecador. Entregou-se completamente Àquele que pode salvar dos pecados. Esta era a necessidade de Pedro. Ele confessou que era um pecador. A confissão de Pedro foi seriíssima. Que revelação maravilhosa Pedro teve ao ver o Senhor Jesus. Isto é salvação! Em seguida, a Bíblia diz que ele deixou tudo e seguiu a Jesus, o Mestre e Senhor. Após a revelação da nossa pecaminosidade não nos resta nada além do que seguir o único que pode perdoar os pecados. Lucas 5:24 – “Mas, para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados – disse ao paralítico: Eu te ordeno: Levanta-te, toma o teu leito e vai para casa”. A revelação e a convicção do nosso pecado é obra da graça de Deus e é o início da nossa salvação eterna. As pessoas que não sentem necessidade de seguir ao Senhor Jesus são exatamente aquelas em que a revelação dos seus pecados ainda não foi dada. Estão perdidas, rumando para o inferno. Em Lucas 7:36-50 vemos uma mulher pecadora, consciente de seus pecados, indo ao encontro do Salvador de nossos pecados. Não havia outra pessoa para recorrer; para lhe perdoar. Só Jesus Cristo, o crucificado, pode nos salvar dos nossos pecados. O Senhor disse à mulher: “Perdoado são os seus pecados”. Essa mulher foi salva dos pecados e voltou em paz. Quando recebemos a revelação dos nossos pecados e vamos à Jesus, recebemos perdão, libertação, paz e vida nova. Vemos também o apóstolo Paulo expressando e confessando sua pecaminosidade. I Timóteo 1:15 – “Fiel é a palavra e digna de inteira aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal”. Uma pessoa assim, que tem convicção de seus pecados e conhece a missão do Senhor Jesus, certamente recebeu a salvação de seus pecados. A convicção dos pecados é uma tremenda dádiva de Deus ao pecador. Todos os salvos, verdadeiramente perdoados, sabem da importância que teve a revelação de seus pecados e o arrependimento em sua vida.

Que Deus, em sua infinita misericórdia, se manifeste nesta igreja trazendo total clareza dos nossos pecados e um profundo arrependimento. Que haja choro de tristeza ao saber quão pecador somos. Que acha pranto e confissão em meio a muitas dores de arrependimento. Tenhamos a consciência da nossa pecaminosidade e venhamos nos arrepender sinceramente perante Deus para que sua misericórdia nos alcance. Desta forma, que Deus realize o milagre do novo nascimento e sejamos verdadeiramente salvos do pecado e do inferno. Ter a convicção do nosso pecado é de fundamental importância para a nossa salvação. Confessemos de todo o coração como o rei Davi: “Pequei contra ti, contra ti somente, e fiz o que é mau perante os teus olhos, de maneira que serás tido por justo no teu falar e puro no teu julgar” (Salmo 51:4).

 

Pr. Mario Tsuyoshi Yamakami

Comunidade Bíblica Regenerada   –   Cristo vive em nós

Maringá, Abril de 2013.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s