MORRER PARA NÃO MORRER

João 3:3 – “A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus”.

PerdãoEstas são palavras ditas pelo Senhor Jesus a um sincero, zeloso e frustrado líder religioso da época. Ainda que tenhamos uma vida religiosa ativa, se não tivermos a experiência do novo nascimento, seremos semelhantes à Nicodemos. Existe uma incompreensão na mente daquele que ainda não nasceu de novo quanto a este assunto. Não foi diferente com Nicodemos. João 3:4 – “Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez?” Nicodemos estava vendo apenas pela perspectiva humana, carnal e material. O novo nascimento é no espírito e não no físico. É um milagre que faz o nosso espírito reviver. É nascimento espiritual. Não tem nada a ver com o físico; por isso, Nicodemos estava “fora da casinha”. Isto acontece com todos até que a misericórdia e graça de Deus nos alcançam com a revelação da nossa necessidade de MORRER PARA NÃO MORRER JAMAIS. Quando falamos do novo nascimento, primeiramente precisamos esclarecer que não tem nada a ver com a morte física. Em segundo lugar precisamos entender que isto vem do Alto, é obra regeneradora do Espírito Santo em nosso coração. Em terceiro lugar é preciso entender que, para nascer, primeiro é preciso morrer. I Coríntios 15:36 – “Insensato! O que semeias não nasce, se primeiro não morrer”. O próprio Senhor diz em João 12:24 – “Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto”. Para nascer de novo, primeiro é preciso morrer em Cristo. Isto já foi providenciado por Deus na cruz do Calvário. O Senhor disse que na Sua crucificação nos atrairia para Ele. João 12:32 – “E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim mesmo”. Na crucificação do Senhor Jesus, fomos atraídos Nele e, nesta atração, houve a nossa INCLUSÃO em Cristo. Por esta razão, quando o Senhor Jesus morreu na cruz, nós que estávamos incluídos Nele, morremos também. Repito, não tem nada a ver com o nosso corpo físico. Isto tudo é um milagre de Deus, é uma ação no espírito, por isso é preciso . Pela fé cremos em nossa atração, inclusão, morte e ressurreição em Cristo simplesmente pelo fato de Deus assim afirmar. É fé na Palavra de Deus! As Escrituras afirmam que fomos batizados, isto é, imersos, incluídos totalmente na morte de Jesus. Romanos 6:3-9 – “Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos em novidade de vida. Porque, se fomos unidos com ele na semelhança da sua morte, certamente, o seremos também na semelhança da sua ressurreição, sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído, e não sirvamos o pecado como escravos; porquanto quem morreu está justificado do pecado; Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos; sabedores de que, havendo Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte já não tem domínio sobre ele.”. Gostaria de destacar o final deste texto: “já não morre; a morte já não tem domínio sobre ele”. Somente aqueles que creram que morreram com Jesus, que com Ele foi crucificado, já não morrem mais. Não morrem mais porque o Eterno vive neles agora. Na crucificação com Cristo o nosso velho homem morreu e na ressurreição com Cristo recebemos a Sua vida. Nascemos de novo! Agora temos nova vida em Cristo Jesus. Aqueles que pela crucificação receberam a nova vida de Cristo, JÁ NÃO MORREM MAIS. Pois, Cristo é eterno e Nele também nos tornamos eternos. Primeiro cremos que morremos com Jesus e agora cremos que não morreremos mais. A morte já não tem domínio sobre aqueles que já morreram com Cristo. Essa morte não é a morte física. A morte física ocorrerá com todos em breve, isto é certo. A morte que está sendo dita é a morte espiritual, a morte eterna da nossa alma. Aquele que crê que foi crucificado com Cristo não morrerá jamais a morte espiritual eterna. Pelo contrário, ao nascer do espírito em Cristo Jesus, viverá eternamente na Glória junto ao Pai celeste. São estes os nascidos de novo que vão poder entrar no reino dos céus e viver para sempre junto de Deus.

Esta morte na crucificação de Cristo é maravilhosa e necessária. Sem ela jamais poderemos alcançar a vida eterna junto de Deus. Agostinho desejava desesperadamente esta morte em Cristo. Ele clamava a Deus: “Deixa-me morrer – se não eu morro!”. Ele tinha consciência e revelação de que era preciso primeiro morrer em Cristo para então não morrer jamais. Sem a crucificação com Cristo certamente haverá a morte eterna. Agostinho queria tanto ver o rosto do Senhor que ansiava desesperadamente morrer com Cristo para poder ver Sua glória. Em agonia e desespero ele clamava: “Senhor, não esconda de mim o Teu rosto”. O que ele mais ansiava era a presença do Senhor em seu coração. Ele tinha o desejo de abraçar o Senhor e dizia que Jesus Cristo era o seu único bem. Isto é cristianismo puro e verdadeiro! Esse é o verdadeiro coração do cristão. Não consegue viver sem a presença, a face e a comunhão com o seu Amado Salvador. Não possui outro bem além do Senhor. Um cristão do passado expressou seu coração com as mesmas palavras de Agostinho. Salmo 16:2 – “Digo ao Senhor: Tu és o meu Senhor; outro bem não possuo, senão a ti somente”. Outro cristão disse no Salmo 73:25 – “Quem mais tenho eu no céu? Não há outro em quem eu me compraza na terra.”. Cristãos do passado encontraram Cristo através da morte de si mesmo e para si mesmo. Eles diminuíram até desaparecer e em conseqüência, Cristo foi crescendo até ser formado neles. Estes cristãos se assemelham em uma coisa: UM CORAÇÃO TOTALMENTE VOLTADO PARA JESUS CRISTO. Um coração que busca e anseia desesperadamente pelo Senhor Jesus. Eles descobriram o SEGREDO DA VIDA. Descobriram que para não morrer a morte eterna era preciso morrer a morte para si mesmo. Eles conheceram Lucas 17:33 – “Quem quiser preservar a sua vida perdê-la-á; e quem a perde de fato a salvará”. O lema era: “MORRER PARA NÃO MORRER”. Aí está o segredo da vida eterna! Neste contexto há duas espécies de morte. O primeiro tipo de morte que a Bíblia tanto fala e que a mensagem da cruz revela é a morte que todos precisamos desejar desesperadamente. Essa é a morte no Cristo crucificado. Pela fé na Palavra de Deus cremos que já morremos com Cristo. O nascido de novo sabe que sua morte em Cristo mudou tudo em sua vida. Salvou-o das trevas, maldições e morte. Agora desfruta da nova vida em Cristo. Por isso ele fala o tempo todo de cruz. A cruz é o único instrumento que nos leva ao primeiro tipo de morte. Esta é a morte do velho homem, da velha natureza adâmica. É preciso estar crucificado com Cristo. Estar crucificado com Cristo é a condição para receber poder para não morrer a segunda morte, isto é a morte eterna. Esta segunda espécie de morte deve ser evitada a qualquer custo. Muitos andam descuidados quanto a esta segunda morte e ela vem repentinamente a qualquer um. Diante deste gravíssimo quadro da morte espiritual eterna, vemos o quão urgente é pregar a mensagem da cruz. Desejamos ardentemente que as pessoas que ainda não nasceram de novo, que freqüentam igreja, tenham um coração desesperado por morrer com Cristo como o de Agostinho. Agostinho entendeu que o seu ego e seu amor próprio precisavam morrer com Cristo. Por isso ele orava desesperadamente: “Deixa-me morrer!”. Esta preciosa e intensa oração foi ouvida no céu e Deus então lhe deu a magnífica e estupenda morte de cruz como o apóstolo Paulo: “Já estou crucificado; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim;”. Agostinho desejou ardentemente a morte com Cristo e recebeu-a pela fé. Antes de sua morte física, foi tremendamente usado por Deus como um cristão verdadeiro. Seus escritos e o testemunho de vida cristã falam até hoje. Cristo foi tão evidente em seu viver que as pessoas consideravam-no um santo. Ele aprendeu a mortificar os feitos do corpo e a fazer morrer sua natureza terrena. Viveu como um crucificado no seu dia-a-dia; morreu para si mesmo a fim de viver para Deus. O segredo de sua vida foi morrer a cada dia. Ele verdadeiramente levou no corpo o morrer de Jesus; por isso Cristo se manifestou poderosamente através de sua vida. II Coríntios 4:10 – “levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a sua vida se manifeste em seu corpo.”. No coração de todo cristão há uma cruz e um trono. Enquanto não viver na cruz, certamente estará assentado no trono. Se mantiver no trono, a cruz ficará vazia. Agostinho aprendeu a viver na cruz; por isso o Rei Jesus se assentou no trono de sua vida.

Precisamos entender uma grande verdade: “SE NÃO MORRERMOS, ENTÃO TEREMOS QUE MORRER”. Se não morrermos na cruz em Cristo, então teremos que morrer a morte espiritual eterna. Se morrermos crucificados com Cristo, vamos desfrutar da preciosa comunhão com o Senhor, teremos uma vida frutífera para a glória de Deus, nosso coração será puro e manifestaremos o caráter de Cristo aos que nos rodeiam. Enfim, aqueles que morreram com Cristo desfrutarão da vida abundante e por fim, a vida eterna. Sendo assim, precisamos saber que:

PRECISAMOS MORRER SE QUEREMOS VIVER.

É MORRER PARA NÃO MORRER.

Pr. Mario Tsuyoshi Yamakami

Comunidade Bíblica Regenerada   –   Cristo vive em nós

Maringá, Novembro de 2013.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s