EXEMPLO DOS PAIS DA IGREJA

pai_e_filho_meditacaoNós, cristãos do século XXI, precisamos reavaliar nosso cristianismo. Deus deixa exemplos para que não desviemos e nem nos acomodemos a um cristianismo estéril e mundano. I Coríntios 10:11 – “Estas coisas lhes sobrevieram como exemplos e foram escritas para advertência nossa, de nós outros sobre quem os fins dos séculos têm chegado”. Quando não temos um parâmetro, facilmente tomamos rumos diferentes e errados. Quando deixamos de avaliar nossa vida, corremos o risco de nos acomodarmos àquilo que está aquém do que Deus espera. Certamente prestaremos contas à Deus de tudo que Ele colocou sob nossa responsabilidade: tempo, corpo, fé, dinheiro, família, profissão, igreja, etc.

Avaliemos hoje a nossa vida cristã. A vida que levamos, de fato, é a verdadeira vida cristã? Nossa vida está no prumo de Deus? Deus diria hoje: “muito bem, servo bom e fiel?”. Você é um cristão frutífero que glorifica a Deus em seu viver? Seu coração é realmente Dele? Você vive para o louvor da Sua glória? Haverá uma prestação de contas. Hebreus 4:13 – “E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas”. II Coríntios 5:10 – “Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo”.

Avaliemos nossa vida e aprendamos com os pais da fé. Hebreus 11 é uma pequena galeria de cristãos que viveram no agrado e aprovação de Deus pela fé. Hebreus 11:2 – “Pois, pela fé, os antigos obtiveram bom testemunho”. Hebreus 11:5fine – “Enoque obteve testemunho de haver agradado a Deus”. Verso 39 – “Ora, todos estes que obtiveram bom testemunho por sua fé não obtiveram, contudo, a concretização da promessa”.

Que Deus nos desperte com o testemunho destes irmãos da fé do passado. Que o Espírito Santo possa trazer profunda vergonha ao nosso coração pelo pobre e miserável cristianismo dos nossos dias. Que sejamos mudados radicalmente.

Um irmão do passado, Thomas à Kempis, nascido no ano de 1380 d.C., em Kempen, vila alemã da Prússia do Reno sentiu-se tão diminuto ao ver o exemplo dos pais da igreja cristã. Dizia ele: os apóstolos e primeiros cristãos da era cristã lutaram bravamente pela fé cristã e viveram um cristianismo que traz vergonha ao nosso. Diz ele: Os santos e amigos de Cristo serviram-no quando tiveram fome e sede, no frio e nudez, no trabalho duro e no cansaço, nas vigílias e jejuns, nas orações e santas meditações, sob muitas perseguições e humilhações. II Coríntios 4:8-9 – “Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos”. Mesmo em meio às lutas e tribulações, reanimavam o coração na esperança do porvir (II Coríntios 4:16-18). Passaram por privações, angústias e até prisões; porém, não perderam a alegria no Senhor. II Coríntios 6:4-10. Não cansavam de servir a Cristo, mesmo em meio às lutas e dificuldades, serviam sem cessar (II Coríntios 11:26-27).

Os irmãos do passado se dispuseram a seguir a senda do Calvário, entraram pela porta estreita e seguiram pelo caminho apertado (Mateus 7:13-14). Passaram pelas inúmeras e dolorosas tribulações ao seguir o Senhor Jesus Cristo. Aprenderam a detestar sua própria vida neste mundo a fim de conservarem para a vida eterna (João 12:25; Judas 23). Amaram mais ao Senhor do que a si mesmo e à própria família (Mateus 10:37-39).

Que vida de abnegação eles tiveram. Dia após dia morriam para si a fim de viverem para Deus (II Coríntios 5:15). Viviam por meio de Cristo e para Cristo. A maior preciosidade era a comunhão com o Senhor, dia e noite, oravam sem cessar. Durante o dia trabalhavam e, durante a noite cuidavam da oração; embora, enquanto trabalhavam, não cessassem de orar no pensamento. Eles tinham a experiência de uma vida de oração sem interrupção – I Tessalonicenses 5:17; Colossenses 4:2.

O tempo era gasto com proveito; todas as horas pareciam curtas para o serviço de Deus; e por causa da grande doçura que sentiam na comunhão com o Senhor, esqueciam-se até mesmo da restauração física, isto é, de dormir.

Renunciaram as riquezas, fama, segurança, conforto, honras, amigos, parentes e até a própria família, tudo pelo Senhor (Mateus 19:29). Não tinham nenhum interesse pelas coisas do mundo; não se preocupavam em se apropriar de dinheiro para a manutenção de suas vidas; sentiam-se indignos ao terem que cuidar do próprio corpo quando necessário. Eram pobres em coisas terrenas, mas sobremaneira ricos para com Deus, em graça e virtudes (II Coríntios 6:10). Eram desprovidos de recursos materiais; porém, eram vigorosos no espírito, cheios da graça e do consolo divino.

Para o mundo, eram estranhos; para Deus, eram amigos íntimos, da família. Para si mesmos pareciam ser nada e, para o mundo, eram desprezíveis (I Coríntios 4:9-13). Apesar de tudo, eram amados do Senhor, preciosos para o Senhor. Eles viviam em humildade e simplicidade, em plena obediência ao Senhor. Tinham paciência e amor e serviam ao próximo com alegria.

Penso que Deus deixou esses exemplos para nos tirar do mornidão, do conformismo deste mundo, do falso padrão de cristianismo. Eles foram fervorosos de espírito, amaram sem hipocrisia, serviram com alegria, regozijavam-se na esperança vindoura, eram pacientes na tribulação e perseverantes na oração (Romanos 12:9-21).

Eles eram disciplinados, zelosos, corajosos e consagrados. Não faziam corpo mole, não tinham preguiça, não eram covardes e nem irresponsáveis. Tinham grande reverência e temor a Deus. Eram piedosos e buscavam a Deus em oração com instância e constância. Eram homens santos, tochas vivas que manifestavam a glória de Cristo.

Não tiveram o mesmo parâmetro de grandeza de nossos dias; porém, de fato, foram grandes diante do Pai celestial. Será que temos perdido o verdadeiro parâmetro cristão? Estamos vivendo segundo os parâmetros do mundo? Avaliemos nosso cristianismo à luz destes santos do passado, à luz das Sagradas Escrituras; acima de tudo, à luz do Filho de Deus Encarnado.

Pr. Mario Tsuyoshi Yamakami

Comunidade Bíblica Regenerada   –   Cristo vive em nós

Maringá, Setembro de 2015.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s