RETRATO DE UM CRISTÃO – ESTUDO III

filhos da promessaAlgumas passagens bíblicas me fascinam e, ao mesmo tempo, me deixam envergonhado e animado. Envergonhado porque sinto-me tão imaturo e distante do Senhor; animado porque vejo que Deus está fazendo de mim, um cristão. Algumas dessas passagens revelam a maturidade de irmãos em Cristo que, via o céu tão perto, via Cristo de modo tão real. Tudo que desejavam era o próprio Senhor Jesus; nada deste mundo. Toda a vida se resumia em Cristo, mesmo estando aqui.

Quando um artista começa a pintar o retrato de uma pessoa famosa; no início, não conseguimos ver com nitidez. Mas, pouco a pouco, começamos a ver que, de fato, o retrato é desta pessoa. No final, tudo fica muito nítido. Vejo, na vida do apóstolo Paulo que, realmente, foi retratado como um cristão. Por que? Porque vejo-o parecido com Cristo e, vejo-o desejando Cristo, vejo-o perto de Cristo, vejo que Cristo se tornou o seu tudo.

Cristão é aquele que, a cada dia, se parece mais com Cristo; que está em Cristo, que vive para Cristo, que deseja somente Cristo. Cristão é aquele que tem Cristo como o seu tudo. Deseja Cristo acima de tudo e de todos. Anseia ir para Cristo porque tudo neste mundo tornou-se detestável para ele. Seu prazer e alegria está em Cristo.

Olha o que o apóstolo diz: Filipenses 1:23 – “Ora, de um e outro lado, estou constrangido, tendo o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor. Pouco antes ele disse: “Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro”.

Veja também o salmista: Salmo 73:23 – “Todavia, estou sempre contigo, tu me seguras pela minha mão direita”. Verso 25 – “Quem mais tenho eu no céu? Não há outro em quem eu me compraza na terra”.

Quando vejo o retrato de um cristão, vejo o quanto ele deseja Cristo, o quanto ele quer estar com Cristo, o quanto ele deseja ir para Cristo. É um apaixonado por Cristo, um dependente de Cristo, um desesperado por Cristo. O cristão é um obstinado por Cristo, um viciado em Cristo.

Quando leio a biografia de santos do passado, vejo o quanto sofreram neste mundo. Foram perseguidos, passaram privações, prisões, foram humilhados. Sofreram perdas físicas e materiais, tiveram muitas lutas e dificuldades. A vida deles não foi fácil em nenhum sentido. Em meio às batalhas, encontraram alento e esperança em Cristo. Apegaram-se à Cristo e receberam consolo, paz e alegria. Cristo tornou-se a base de vida, o motivo do viver, o ânimo para prosseguir, a viva esperança.

Todos passaram por lutas e sofrimentos e receberam a graça de Deus. O próprio Senhor disse que teríamos aflições neste mundo. João 16:33 – “Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo”. As aflições nos impulsionam para Cristo.

Veja o testemunho do cristão Paulo: I Coríntios 4:11-13 – “Até à presente hora, sofremos fome, e sede, e nudez; e somos esbofeteados, e não temos morada certa, e nos afadigamos, trabalhando com as nossas próprias mãos. Quando somos injuriados, bendizemos; quando perseguidos, suportamos; quando caluniados, procuramos conciliação; até agora, temos chegado a ser considerados lixo do mundo, escória de todos”.

Essas lutas e tribulações ajudaram os santos a não ficarem enraizados neste mundo perverso. O ódio do mundo por eles foi um grande empurrão para que eles pudessem se jogar inteiramente nas mãos de Cristo.

A dura vida neste mundo serve para que nos animemos a ir para Cristo, a desejar estar com Cristo no céu o quanto antes. Todas as dores e tristezas aqui são combustíveis para nos levar à Cristo. A enfermidade e a morte devem ser motivos para nos animar pois, são sinais de que estamos indo para Cristo.

O verdadeiro cristão não deseja viver neste mundo por muito tempo. Ele está sempre dizendo: MARANATA! VEM SENHOR JESUS! Ele é como a Sulamita que busca, espera, anseia pelo amado de sua alma. Veja um pouco o coração do cristão através das palavras da Sulamita em Cantares. “Como és formoso, amado meu, como és amável”. “Leva-me à sala do banquete, e o seu estandarte sobre mim é o amor”. “O meu amado é meu, e eu sou dele”. “O seu falar é muitíssimo doce; sim, ele é totalmente desejável. Tal é o meu amado, tal, o meu esposo, ó filhas de Jerusalém”. “Vem depressa, amado meu, faze-te semelhante ao gamo ou ao filho da gazela, que saltam sobre os montes aromáticos”.

Cristão é aquele que desfalece de amor pelo seu Senhor. Deseja ansiosamente encontrar-se, face a face, com Ele. Sua alma deseja o Amado e O busca ansiosamente.

Quando digo que me sinto envergonhado é isto! Tenho o sincero desejo de ser um cristão verdadeiro; porém, quando vejo meu coração tão frio, indiferente e distante do meu Amado, preciso admitir que estou longe de ser chamado de cristão.

Quando digo que sinto-me animado, é porque vejo Deus me revelando Cristo, me conduzindo para Cristo, formando Cristo em mim. Tenho esperança pois, estou dia a dia caminhando mais e mais com Cristo, em Cristo e para Cristo.

O Espírito me ensina que devo desprezar este mundo perverso para poder amar só o Senhor Jesus Cristo. Este mundo não vale a pena! Alguns crentes não querem ir ao céu porque tem um amante aqui; é o mundo. Eles até esquecem que há uma Pátria à sua espera. Os cristãos hebreus aspiravam esta Pátria. Hebreus 11:16 – “Mas, agora, aspiram a uma pátria superior, isto é, celestial. Por isso, Deus não se envergonha deles, de ser chamado o seu Deus, porquanto lhes preparou uma cidade”.

Vamos ver o testemunho de um irmão do passado chamado Thomas à Kempis. Este irmãos viveu entre os anos de 1380 – 1471 na Alemanha. Olha a sua descrição da vida terrena:

“Os dias desta vida são poucos e maus (Jó 7), cheios de tristezas e restrições. Aqui o ser humano é poluído com muitos pecados, seduzido com muitas paixões, preso por muitos temores, atormentado por muitos cuidados, distraído com muitas curiosidades, emaranhado em muitas vaidades, rodeado por muitos erros, desgastado com muitos trabalhos, carregado de tentações, enervado por prazeres, atormentado com necessidades”.

Estas palavras expressam um pouco de sua visão a respeito deste mundo tenebroso. Revelam sua insatisfação em ainda estar neste mundo. Mostram seu desprezo por este mundo. Indubitavelmente, ele não ama este mundo e tudo quanto nele há (I João 2:15-17). Mas ele não tem só isso no coração. Mais do que isso, ele tem e deseja Cristo. As coisas deste mundo tornam-se insignificantes comparadas ao ganho de ter Cristo, como Paulo expressa em Filipenses 3:7-11 – “Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé; para o conhecer, e o poder da sua ressurreição, e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me com ele na sua morte; para, de algum modo, alcançar a ressurreição dentre os mortos”.

Thomas à Kempis prossegue expondo seu coração apaixonado por Jesus. Tem o desejo de estar com Cristo o mais rápido possível. Ele é um cristão que não se importa com esta vida terrena e almática. Deseja apenas a vida eterna, que é o próprio Senhor Jesus.

Ele prossegue dizendo: “Ah! Quando terão fim esses males? Quando estarei eu atento apenas ao Senhor, ó Deus? Quando terei plenitude de regozijo no Senhor? Quando estarei sem nenhum impedimento, em verdadeira liberdade, sem nenhum peso de mente e corpo? Quando terei paz sólida, paz segura e imperturbada, paz dentro e fora, paz assegurada de toda forma? Ó Jesus, quando ficarei à sua frente para contemplá-lo? Quando hei de contemplar a glória de seu reino? Quando será o Senhor tudo, em tudo, para mim? Ah! Quando é que eu estarei em seu reino, que o Senhor preparou para seus amados desde toda a eternidade?

Ainda diz: “Reconforte meu exílio, suavize, pois todo meu desejo suspira pelo Senhor. Anelo por apreciar o Senhor mas não consigo, pois este mundo e as paixões não mortificadas me pesam”.

Vemos a aflição de um homem que deseja estar sinceramente com Cristo; porém, a carne o impede muitas vezes. Enquanto neste corpo mortal, ele sente-se um miserável como o apóstolo expressou em Romanos 7:24. Vemos a luta deste santo com o mundo ao clamar à Deus para livrá-lo de pensamentos e desejos mundanos. Ele não quer viver nenhuma “vaidade” deste mundo. Sua luta consiste em alcançar o eterno. Ele confessa que habitualmente é uma pessoa distraída. Que muitas vezes, neste corpo, ele se pega pensando nas coisas deste mundo. Isto é uma grande tristeza e um pesado fardo para ele.

Ele sabe que se amar o mundo, se deleitará nas coisas deste mundo. Se amar o Senhor, certamente o Senhor será sua alegria perpétua. Ele sinceramente anela pelo Senhor, pela sua vinda para que todo o sofrimento termine. Ele deseja apenas estar com Cristo para que nada mais deste mundo o perturbe. Ele deseja paz completa que é Cristo.

Eis aí o retrato de um verdadeiro cristão. Cristão deseja profundamente estar com Cristo.

Pr. Mario Tsuyoshi Yamakami

Comunidade Bíblica Regenerada   –   Cristo vive em nós

Maringá, 15 de Maio de 2016.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s