Arquivos

O DEUS DE JACÓ – XXII

00084rs2Vimos nos estudo anterior sobre a importância de estar no lugar onde Deus quer que estejamos. Estar onde Deus quer, é desfrutar de Sua poderosa presença, que traz total segurança.

Aprendemos também sobre a importância de santificar o nome do Senhor. O pecado dá oportunidade do inimigo de zombar o maravilhoso nome do Senhor. O cristão carrega o nome mais precioso e maravilhoso que existe, o nome que está acima de todo nome, o nome de Jesus Cristo. (sensei do judô).

Vamos nos gloriar nele e, com alegria, exaltá-Lo sempre através do nosso testemunho de vida. Aprendamos a fazer todas as coisas em seu nome – Colossenses 3:17 – “E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai”.

Gênesis 35:1-7. Como é maravilhoso ver o agir de Deus em seu servo. Em Peniel, o Senhor tocara em Jacó de tal maneira que este passou a ser manco e dependente. Isto o fez caminhar com o Senhor.

O Senhor faz isso ainda hoje com muitos “Jacós” da vida. Muitos que andaram em pecados e falta de temor, pela misericórdia de Deus são tratados e tocados pelo Senhor para que venham à Sua Casa para serem tratados, curados, transformados e regenerados.

Jacó começou a andar com o Senhor depois de Peniel. Ali ele viu o Senhor face a face e foi salvo. Em Siquém, teve uma péssima experiência porque ainda não havia aprendido a andar com o Senhor devidamente.

Interessante que ele não teve uma experiência mais profunda com o Senhor em Siquém. Estar onde o Senhor não ordenou para estar é estar onde o Senhor não está. Sendo assim, é difícil conhece-Lo neste lugar. Muitos estão na Siquém ou no mundo e por isso, não tem experiências profundas com a Pessoa do Senhor.

Gênesis 35:1 – “Disse Deus a Jacó: Levanta-te, sobe a Betel e habita ali; faze ali um altar ao Deus que te apareceu quando fugias da presença de Esaú, teu irmão”. Essa é a direção de Deus ao perdido pecador. Por isso as pessoas acabam indo à igreja.

Betel ou a Casa de Deus não é lugar para os perfeitos e cheios de justiça própria. É lugar de refúgio, restauração e aperfeiçoamento dos pecadores transformados em santos pela graça do Senhor.

Fomos trazidos pelo Senhor à Betel e nem desconfiávamos que era a Sua maravilhosa graça que operou em nós. Quem está na Betel está na graça do Senhor; aqueles que se afastam da Casa do Senhor, afastam-se da graça de Deus.

Quando Jacó chegou em Siquém, conheceu o Senhor como o Deus de Israel – Gênesis 33:20 – “E levantou ali um altar e lhe chamou Deus, o Deus de Israel”. Era um conhecimento geral e ainda meio que superficial.

Mas o Senhor é Deus que se revela pouco a pouco. Quando Jacó chegou à Betel, ele conheceu o Deus de Betel.

Gênesis 35:6-7 – “Assim, chegou Jacó a Luz, chamada Betel, que está na terra de Canaã, ele e todo o povo que com ele estava. E edificou ali um altar e ao lugar chamou El-Betel; porque ali Deus se lhe revelou quando fugia da presença de seu irmão”.

Agora Jacó conhece o Deus da Casa de Deus. Ele é o Deus da Sua igreja. Quem reina na igreja é o Senhor; não é o homem. O Senhor é Santo e Sua Casa precisa ser santa também. Este é o requisito para permanecer na Casa do Senhor: SANTIDADE!

Muitos crentes não tem essa consciência e vem à igreja com muitos pecados escondidos. Precisamos ter o temor de Deus e estar na Casa do Senhor em santidade e temor.

O Senhor revela seu coração em diversas passagens bíblicas sobre a necessidade da santidade para permanecer em Sua casa.

Isaías 35:8 – “E ali haverá bom caminho, caminho que se chamará o Caminho Santo; o imundo não passará por ele, pois será somente para o seu povo quem quer que por ele caminhe não errará, nem mesmo o louco”.

Salmo 101:6-8 – “Os meus olhos procurarão os fiéis da terra, para que habitem comigo; o que anda em reto caminho, esse me servirá. Não há de ficar em minha casa o que usa de fraude; o que profere mentiras não permanecerá ante os meus olhos. Manhã após manhã, destruirei todos os ímpios da terra, para limpar a cidade do Senhor dos que praticam a iniquidade”.

Leia o Salmo 15 e Efésios 1:4.

O sacrifício do Senhor na cruz foi para que sejamos justificados e santificados. Este é o desejo de Deus porque nos ama; pois, o Deus Santo não pode conviver com o pecador. O pecado nos separa de Deus, como fez com Adão e Eva.

O sangue da cruz nos aproxima (Efésios 2:13) porque remove nossos pecados. Deus providenciou a cruz para que andemos de modo santo em Sua Casa.

Betel, a Casa de Deus, é o lugar onde os santos convivem em comunhão com o Deus Santo e com os demais santos. Não podemos achar que igreja é qualquer lugar, um clube dos crentes. Sem santidade, não veremos o Senhor e não permaneceremos diante de Sua santa presença.

Jacó aprendeu esta lição. Seus filhos estavam em pecados e idolatrias. Mais do que depressa, Jacó pede para os seus se santificarem. Este é o papel do líder espiritual. Ele precisa saber que sem santidade não há vitória.

A vida de pecados traz derrotas, maldições e morte. O rei Saul é exemplo claro que o pecado traz derrota e vergonha. Outro exemplo bíblico é o caso de Acã que pecou e, infelizmente, todo o povo foi derrotado em Ai por causa de seu pecado.

Somente quando Josué tratou com o pecado de Acã é que o povo obteve vitória. Muitos hoje morrem porque vivem em pecados. É preciso saber que o salário do pecado é a morte; por isso, não devemos tratar o pecado de modo leviano. É coisa séria!

Jacó percebeu e ordenou que todo o pecado de idolatria fosse tratado imediatamente. Gênesis 35:2 – “Então, disse Jacó à sua família e a todos os que com ele estavam: Lançai fora os deuses estranhos que há no vosso meio, purificai-vos e mudai as vossas vestes”.

Que decisão sábia! Gênesis 35:4 – “Então, deram a Jacó todos os deuses estrangeiros que tinham em mãos e as argolas que lhes pendiam das orelhas; e Jacó os escondeu debaixo do carvalho que está junto a Siquém”.

Impressionante que o povo já estava usando argolas como os povos pagãos de Canaã. Felizmente eles trataram o pecado da idolatria em Siquém. Siquém significa “força do ombro”, ombro largo.

Este é o nosso Deus, o Deus que suporta todo o povo do pecado; que carrega todos os nossos pecados. Por isso, precisamos tratar dos nossos pecados em Siquém e enterra-los ali.

Jamais se pode levar pecados para Betel, a Casa de Deus. Precisamos deixar nossos pecados para trás e prosseguir para Betel.

Quando assim fizeram, o povo experimentou algo novo e poderoso. Gênesis 35:5 – “E, tendo eles partido, o terror de Deus invadiu as cidades que lhes eram circunvizinhas, e não perseguiram aos filhos de Jacó”.

O Deus Santo caminha com o povo santo e o guarda. O povo santo não é perseguido e destruído. Eles podem ir à Betel. Em Betel, Deus se manifesta e abençoa (v.9). Em Betel, Deus muda o nosso nome; somos agora, filhos da luz, filhos de Deus, povo de Deus. Ali também conhecemos o Deus Todo Poderoso (v.11).

Betel, lugar onde Deus fala conosco – Gênesis 35:15 – “Ao lugar onde Deus lhe falara, Jacó lhe chamou Betel”.

BETEL, A CASA DO PAI, A NOSSA CASA.

Pr. Mario Tsuyoshi Yamakami

Comunidade Bíblica Regenerada   –   Cristo vive em nós

Maringá, 23 de Maio de 2018.

Anúncios

O DEUS DE JACÓ – XXI

filhos da promessaNo final da vida, Jacó disse à Faraó que os dias da sua “peregrinação” foram 130 anos; poucos e maus comparados aos dias de peregrinação de seus pais (Gênesis 47:9). Abraão viveu 175 anos, Isaque 180 anos, Jacó 147 e José 110 anos.

Vamos ver um pouco a peregrinação de Jacó; os lugares onde esteve e o que aprendeu ali. No início, Jacó habitava com seus pais em Berseba (Gen. 26:33). Ali Isaque envelhecera e foi quando se deu aquele episódio do roubo da bênção da primogenitura.

Então, foi preciso que Jacó saísse de Berseba, segundo o pedido de seus pais. Gênesis 28:2 – “Levanta-te, vai a Padã-Arã, à casa de Betuel, pai de sua mãe, e toma lá por esposa uma das filhas de Labão, irmão de tua mãe”.

Jacó deixou Berseba e foi para Harã – Gênesis 28:10 – “Partiu Jacó de Berseba e seguiu para Harã”. Logo, o Senhor vai ao encontro dele em Betel. Ali, ouve o Senhor pela primeira vez e dá o nome do lugar de Betel. Gênesis 28:19 – “E ao lugar, cidade que outrora se chamava Luz, deu o nome de Betel”.

Depois, Jacó chegou a Padã-Harã, na casa de Labão, seu tio e lá casou-se com Raquel e Lia. Passou 20 anos servindo a Labão. Então, Deus manda ele retornar à casa de seus pais. Gênesis 31:3 – “E disse o Senhor a Jacó: Torna à terra de seus pais e à tua parentela; e eu serei contigo”. Veja que ele deixa Padã-Arã (31:18).

Nesta volta, Jacó teve grandes experiências com o Senhor. Após resolver os problemas com Labão, os anjos do Senhor lhe saíram ao encontro. Que experiência fantástica esse homem teve neste dia não?

Jacó chamou aquele lugar de Maanaim – Gênesis 32:2 – “Quando os viu, disse: Este é o acampamento de Deus. E chamou àquele lugar Maanaim”.

Prosseguindo de volta para a terra dos pais em Berseba, Jacó depara com outro grande problema; seu irmão Esaú vinha ao seu encontro. Naquele momento de angústia e medo, Jacó passa pelo vau de Jaboque e tem um encontro com o Senhor de uma maneira viva, pessoal e profunda.

Neste encontro Jacó começa a ser transformado em um verdadeiro adorador. Ele é tocado pelo Senhor e torna-se manco; porém, sai com um novo coração.

Esse lugar especial, lugar de salvação, de transformação, de cruz, Jacó chamou de Peniel. Gênesis 32:30 – “Àquele lugar chamou Jacó Peniel, pois disse: Vi a Deus face a face, e a minha vida foi salva”.

Depois deste maravilhoso socorro e livramento do Senhor, Jacó prosseguiu e chegou à Siquém. Gênesis 33:18 – “Voltando de Padã-Arã, chegou Jacó são e salvo à cidade de Siquém, que está na terra de Canaã; e armou a sua tenda junto da Cidade”.

Entendo que Jacó queria um pouco de refresco depois de tantos embates. Mas é preciso não se esquecer da ordem do Senhor. Ainda que tiremos férias, devemos ter sempre no coração, os mandamentos do Senhor e cumpri-los à risca.

Salmo 119:4 – “Tu ordenaste os teus mandamentos, para que os cumpramos à risca”. Isto é de extrema importância para nós. Percebe-se a diferença daqueles que levam de modo leviano os mandamentos e aqueles que são zelosos por guarda-los.

Os que guardam os mandamentos são felizes e bem sucedidos. Salmo 119:2 – “Bem-aventurado os que guardam as suas prescrições e o buscam de todo o coração”.

O rei Davi sabia que valia a pena guardar os mandamentos do Senhor: Salmo 19:11 – “Além disso, por eles se admoesta o teu servo; em os guardar, há grande recompensa”.

Jacó, por um momento, deixou os mandamentos de lado e agiu por conta própria. Isto acarretou um grande problema para a sua família em Siquém. Em Siquém chegaram a fazer uma aliança; porém, isto era proibido segundo as ordens do Senhor.

Desde que Josué introduziu o povo de Israel à Terra de Canaã, Deus já ordenara que não se fizesse aliança com os povos dali. Jacó e os filhos fizeram coisas que Deus havia proibido.

Toda a quebra dos mandamentos de Deus traz problemas sérios. Por isso, precisamos ter muito zelo para com a Palavra do Senhor. Ainda hoje, muitas moças evangélicas não levam à sério a Palavra de Deus para que não se coloque em jugo desigual. Casam-se com incrédulos e saem do casamento com a vida destroçada.

Siquém foi uma péssima parada para Jacó e sua família. Ali foi derramado muito sangue em vingança e traição. A família de Jacó precisou levar a vergonha do estupro e do assassinato.

Penso que isso foi um ponto negativo muito forte para o povo de Israel. Certamente muitos judeus gostariam que isso jamais tivesse acontecido.

Em Siquém, Deus falou para Jacó retornar à Betel. Não só voltar, mas também, para habitar e ter uma vida de adoração. Gênesis 351 – “Disse Deus a Jacó: Levanta-te, sobe a Betel e habita ali; faze ali um altar ao Deus que te apareceu quando fugias da presença de Esaú, teu irmão”.

Percebe como Deus livra, guia e ordena de modo claro? Só não entende e não ouve quem não quer. Deus jamais disse para Jacó comprar terreno em Siquém; porém, em Betel, Deus dá ordens para ele morar.

Jacó teve duas experiências com o Senhor ligadas ao seu nome. A primeira foi em Peniel. Gênesis 32:27-28 – “Perguntou-lhe, pois: Como te chamas? Ele respondeu: Jacó. Então, disse: Já não te chamarás Jacó, e sim Israel, pois como príncipe lutaste com Deus e com os homens e prevaleceste”.

A segunda experiência foi em Betel. Gênesis 35:9-10 – “Vindo Jacó de Padã-Arã, outra vez lhe apareceu Deus e o abençoou. Disse-lhe Deus: O teu nome é Jacó. Já não te chamarás Jacó, porém Israel será o teu nome. E lhe chamou Israel”.

Parece que, o que Deus começou em Peniel, Ele completou em Betel. Deus tem muito para fazer em nós em Sua Betel. Permanecer na Betel é permanecer nas mãos de Deus e ser trabalhado por Ele. Betel é importante no cumprimento do trabalho de Deus em nós. Filipenses 1:6.

Deus quer confirmar a cada um de nós como seus filhos, filhos da luz, cristãos verdadeiros (I Pedro 5:10). Ele se importa com o nosso nome e, acima de tudo, com o seu próprio nome.

O Senhor Jesus nos ensinou que devemos “santificar o nome de Deus”. Segundo a Lei de Moisés, não devemos usar o nome do Senhor em vão.

Quando Davi pecou, foi repreendido pelo profeta Natã. Certamente Davi viu que desprezar a Palavra do Senhor é algo terrível (II Samuel 12:9-14).

Mas, penso eu, uma coisa que deve ter rasgado o coração de Davi foi o fato de que ele, ao pecar, deu oportunidade do inimigo blasfemar o nome do Senhor. II Samuel 12:14 – “Mas, posto que com isto deste motivo a que blasfemassem os inimigos do Senhor, também o filho que te nasceu morrerá”.

Confesso, meus irmãos, que esta foi uma das maiores dores que eu tive em minha vida. Após cometer um grave pecado, eu via os inimigos blasfemando o santo nome do meu Senhor.

Isso rasgou meu coração. Eu estava tão arrependido e pedia perdão constantemente ao meu Senhor. Desde então, tenho tido zelo para que o nome do Senhor jamais seja blasfemado outra vez.

Lembremos sempre que, pelo pecado, damos oportunidade do inimigo blasfemar o nome do Senhor. Quando um evangélico vai para a cadeia, ele está envergonhando o nome de Deus. Precisamos estar cônscios de que devemos honrar Seu santo nome; jamais envergonha-lo.

O nome de Jesus é importante para você? Você vive para engrandecer esse nome? Em breve saberás que não há outro nome tão belo e tão sublime. O profeta Isaías disse que seu nome será: “Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”.

Como o nome de Jesus é para nós hoje? Esse deve ser o nome que está acima de todo nome. Filipenses 2:9-10 – “Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na erra e debaixo da terra”.

Lá em Betel, Jacó conheceu o Senhor como o Deus Todo Poderoso (Gênesis 35:11). Quem permanece em Betel acaba conhecendo o Deus Todo Poderoso; pois Ele é o Deus de Betel.

Vemos o quanto Jacó aprendeu a lição de estar onde Deus manda. No final da vida, antes de descer ao Egito, ele se encontrava em Berseba (Gênesis 46:5). Ele foi fiel à Deus até o fim.

De lá ele foi ao Egito porque Deus o ordenara. Gênesis 46:3-4 – “Então, disse: Eu sou Deus, o Deus de teu pai; não temas descer para o Egito, porque lá eu farei de ti uma grande nação. Eu descerei contigo para o Egito e te farei tornar a subir, certamente. A mão de José fechará os teus olhos”.

Jacó aprendeu a ouvir a Deus e a se mover segundo o seu mandado. Creio que Jacó jamais pensou em ir ao Egito; porém, sob as ordens do seu Senhor, ele foi.

Se Ele falar para irmos ao inferno porque Ele irá conosco, devemos ir com toda a alegria e convicção. Não é o temido inferno que determina nossa vida, mas a presença maravilhosa do nosso Senhor.

Se o Senhor disser: Fica aqui neste mundo perverso comigo e não vá ao céu. Devemos obedecer de bom grado porque o que importa é a Sua presença e não o céu ou este mundo. Cristo é o único que deve nos determinar.

CRISTO É O FATOR DETERMINANTE, SEMPRE!

Quando o Senhor ordena a ir a algum lugar, podemos ter certeza de uma coisa: ELE IRÁ CONOSCO, ELE DESCERÁ CONOSCO! Isso é que importa!

Para Jacó, a segurança não era o rico e poderoso Egito; mas o Senhor, que desceria com ele. Esta é a verdade! Não é o local, a cidade; mas é a presença do Senhor conosco. É fazendo a Sua vontade que teremos a Sua companhia.

ESTAR ONDE DEUS QUER É GARANTIA DA SUA PRESENÇA

Pr. Mario Tsuyoshi Yamakami

Comunidade Bíblica Regenerada   –   Cristo vive em nós

Maringá, 16 de Maio de 2018.

A MENSAGEM DA CRUZ – II

CruzMORRER PARA O MUNDO

Vimos que a cruz de Cristo não é apenas um fato consumado. Ela não é apenas um acontecimento histórico; é, sobretudo, uma mensagem viva. Pela Cruz, o Verbo se comunica conosco hoje. Devemos ouvir o que o Verbo de Deus quer nos falar através da obra da cruz.

A primeira mensagem que a cruz nos fala é que o sangue ali derramado nos JUSTIFICA diante de Deus. Que bela e tremenda mensagem para o pobre pecador. Esta é, sem dúvida, uma grande Boa Nova de salvação.

A segunda mensagem provinda da cruz é: MORREMOS PARA O MUNDO. Esta preciosa mensagem desatará as amarras para que vivamos desimpedidamente para o Senhor.

Efésios 2:1-3 – “Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais”.

Este é o cenário de uma pessoa que ainda não foi liberta pela cruz. Que texto medonho e ao mesmo tempo, esclarecedor. Frente a esta terrível realidade, vemos que a cruz é totalmente imprescindível para que sejamos libertos do sistema maligno deste mundo.

Só a cruz de nosso Senhor tem poder para nos tirar deste império diabólico. Colossenses 1:13 – “Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor”.

Fomos resgatados do mundo e das trevas de satanás e transformados em filhos da luz. Aqueles que não conhecem a cruz do Senhor permanecessem no mundo das trevas. Mas os salvos, proclamam a Pessoa que os chamou para a luz: I Pedro 2:9.

Satanás é o príncipe deste mundo tenebroso e traz muitos cativos consigo. Jesus Cristo, pela cruz, veio resgatar esses cativos de satanás.

Isaías 42:7 – “para abrires os olhos aos cegos, para tirares da prisão o cativo e do cárcere, os que jazem em trevas”.

Lucas 1:79 – “para alumiar os que jazem nas trevas e na sombra da morte, e dirigir os nossos pés pelo caminho da paz”.

Os cativos deste mundo vivem cheios de vaidades, longe de Deus; vivem apenas para a satisfação da carne. São guiados e controlados pelo sistema deste mundo perverso. Só a cruz liberta e transforma o pecador que vive debaixo do domínio de satanás neste mundo vil.

Infelizmente nascemos neste mundo e trazemos muito dele dentro de nós. Muitos não entendem que são do mundo, ainda que frequentem uma igreja evangélica. O mundo não sai do coração pelo simples fatos de termos tornado evangélicos. Somente a cruz tem o poder de matar o mundo em nós e nos levar a morrer para o mundo.

Olha o que o Senhor disse aos judeus que não eram do reino de Deus. João 8:23 – “E prosseguiu: Vós sois cá de baixo, eu sou lá de cima; vós sois deste mundo, eu deste mundo não sou”.

O crente mundano é confuso e tem o coração dividido. Ele continua vivo para o mundo e o mundo sabe que ele está vivo para ele; por isso, o mundo vive seduzindo-o. Esse tipo de crente parece cristão mas não é. Deseja viver o cristianismos e o mundanismo ao mesmo tempo. O crente mundano não é cristão!

Muitos líderes religiosos trazem descadaramente o mundo para dentro da igreja. Nestes dias ouvi um pastor da Universal falando que pode deixar o copo da cachaça ou da pinga encima da televisão que ele vai ungir e abençoar. Pode?

Pois é, o mundo está tão atuante na igreja que os membros não conseguem mais discernir se é de Cristo ou se é do mundo. Os crentes vivem enviando textos e vídeos religiosos; porém, mundanos e antropocêntricos.

Eles não conseguem discernir. Só porque vem com um fundo lindo, com paisagens e uma música bonita, acham que é coisa de Deus. A mensagem não tem nada a ver com o evangelho.

Vejo tantos crentes enviando mensagens supostamente evangélicas; porém, de cunho mundano e antropocêntrico. Mas a Bíblia deixa bem claro sobre essa questão. Deus e o sistema satânico do mundo não tem nada a ver um com o outro. A religião anda de mãos dadas com o mundo; porém, o Evangelho, não!

Vejo uma grande necessidade dos evangélicos se conscientizarem a respeito deste assunto, pois é vergonho e desagradável diante dos olhos de Deus. Seria como uma esposa andar de mãos dadas com qualquer homem que passa pela rua.

A radical e poderosa cruz diz: ESTAMOS MORTOS PARA O MUNDO E O MUNDO PARA NÓS.

Quando Deus libertou o povo de Israel do Egito, usou o sangue nos umbrais das portas. Foi celebrada a primeira Páscoa, o Cordeiro Pascal foi morto; isto é, Cristo foi crucificado. Esta é uma figura da cruz que nos liberta do mundo.

O Egito representa o mundo e o povo de Israel representa a igreja do Senhor hoje. Deus libertou Israel do Egito e o fez sair pelo deserto. Havia caminho mais curto e fácil; porém, o povo foi conduzido para que pudessem atravessar o Mar Vermelho.

Foi ali que Deus fez a separação entre o seu povo e o Egito. O Egito ficou para trás do Mar Vermelho e o povo prosseguiu para a Terra de Canaã. O Egito morreu para eles e eles para o Egito. Houve uma separação. Assim é a morte para o mundo.

Lembrando que o significado primário da palavra morte é separação. Ser separado do mundo significa morrer para o mundo. Por isso o apóstolo Paulo usa a palavra “estou crucificado” ou seja, estou morto para o mundo.

A mensagem da cruz diz que devemos morrer para o mundo e o mundo tem que nos ver mortos para ele. Gálatas 6:14 – “Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo”.

A cruz nos tira e nos separa do mundo. Isto é necessário, do contrário, jamais seremos verdadeiros cristãos. Não tem como um cristão ser mundano e o mundano ser cristão. Há uma cruz que os separa.

O apóstolo Paulo está dizendo que não tem mais nada com o mundo e o mundo não consegue mais nada dele. Houve uma separação completa entre ele e o mundo através da ação da cruz.

O mundo gosta de glamour, fama, poder e dinheiro. Tudo isso ficou para trás na vida do apóstolo. Em Filipenses 3:4-11, o apóstolo dá seu testemunho de morte para com o mundo. Ele tinha muito das coisas deste mundo; porém, ao conhecer o Cristo da cruz, tudo mudou.

Filipenses 3:8 – “Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo”.

Paulo foi separado do mundo, morreu para o mundo. Talvez esse seja seu grande segredo em amar tanto o Senhor. Talvez foi exatamente isso que o levou a experimentar Cristo de maneira mais profunda.

Creio ser essa a razão de muitos crentes ainda não estarem experimentando mais de Cristo. Jamais morreram para o mundo. Não estão crucificados para o mundo e nem o mundo para eles. Isso é coisa séria!

Tiago 4:4 – “Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus”.

Os apóstolos estavam muito preocupados com esta questão. Para eles, que amavam o Senhor e já havia morrido para o mundo, ver um crente da igreja amando o mundo, era algo totalmente perverso e inadmissível. É como um pai ver sua filha no prostíbulo.

A igreja que se chama cristã ou evangélica anda prostituindo, como os israelitas prostituíram ao adorarem outros deuses. Amar o mundo e ir à igreja tornou-se tão comum. Os pastores não pregam mais contra o mundo, tudo é aceitável. O mundo vem com tudo para dentro da igreja.

A arca de Noé estava calafetado de modo que as águas não podiam entrar. Assim deve estar a igreja do Senhor; para que o mundo não entre nela. Se entrar, fatalmente afundará.

O mundo se veste de amigo e finge ser tão familiar. O modo de pensar, vestir e agir mundano está dentro do crente, de sua família e de sua casa. Se não passar pela cruz, o mundo permanece no crente. Os usos e costumes de certas igrejas jamais puderam separá-los do mundo.

A televisão é bem-vinda para o crente mundano, os programas de entretenimento são agradáveis à eles. Aceitam tudo que vem do mundo e estão se tornando tão mundanos que nem mesmo percebem mais. O crente de hoje não tem discernimento para separar o que é do mundo e o que é de Cristo. Isto é sério!

Andam tanto tempo com o mundo e vivem como eles de modo tão natural que, quando o pastor prega contra o mundo, eles ficam assustados e até chateados.

A igreja está parecendo a família de Ló em Sodoma. Estava tão acostumada que não queria sair de lá. Mesmo com o aviso dos anjos de que Sodoma iria ser destruída, eles estavam levando à sério o sair de lá. Gosto da denominação que John Bunyan deu ao mundo: “Cidade da Destruição”.

É preciso sair do sistema deste mundo com urgência antes que ele seja destruído. Aqueles que não levam à sério esta mensagem são como os contemporâneos de Noé que, apesar de ter pregado a justiça de Deus, não creram e zombaram dele.

Penso que quando chegou a destruição pelo dilúvio, enquanto morriam, eles pensaram e desejaram muito estar na Arca, uma representação de Cristo.

No dia do Juízo, muitos gritarão desesperadamente como os contemporâneos de Noé. Precisamos ouvir e crer na Palavra de Deus ainda que pareça um absurdo.

O próprio Senhor diz: I João 2:15 – “Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele”.

Ao iniciar este estudo me veio: esse tema não é tão relevante e a igreja vai achar sem graça. Porém, o Espírito de Deus me guiou e pela Sua misericórdia está abrindo meus olhos e me fazendo ver o quão importante é que a igreja saiba a respeito do batismo ou da morte para o mundo.

Leia I Pedro 3:18-22. Este trecho fala do batismo e batismo significa “morte”. As pessoas salvas foram batizadas ou mortas para o mundo e o mundo para elas. Não há salvação se primeiro não houver a morte para o mundo.

Reparou que ao longo da história, Deus fez separação? Sabemos que, no final dos tempos, haverá uma grande separação. Se não acordarmos a tempo, poderemos estar separados para sempre Dele.

Não tem como o mundano, naquele dia, ser separado para Deus. Somente os eleitos serão separados para Deus – I Pedro 2:9 – “Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”.

A separação está muito clara no coração de Deus e Ele o fará. Mateus 25:32 – “e todas as nações serão reunidas em sua presença, e ele separará uns dos outros, como o pastor separa dos cabritos as ovelhas”.

Esta é mais uma das grandes mensagens da cruz – É PRECISO MORRER PARA O MUNDO – ESTAR SEPARADO DO MUNDO.

O apóstolo Pedro, quando pregou no Pentecoste dizendo: “Salvai-vos desta geração perversa” (Atos 2:40 fine). A cruz é poderosa para nos salvar da mundana geração perversa.

Gênesis 6:11-12 – “A terra estava corrompida à vista de Deus e cheia de violência. Viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque todo ser vivente havia corrompido o seu caminho na terra”.

Gálatas 1:4 – “o qual se entregou a si mesmo pelos nossos pecados, para nos desarraigar deste mundo perverso, segundo a vontade de nosso Deus e Pai”.

Esta passagem deixa bem claro que um dos propósitos da cruz é nos “desarraigar deste mundo perverso”. Deixa claro também que esta é a vontade do nosso Deus e Pai.

Por isso, ouvir a mensagem da cruz sobre o morrer para o mundo é de extrema e urgência importância. Este não é uma mensagem qualquer; é uma mensagem que vem da cruz.

Falar da morte para o mundo é falar da salvação eterna. Permanecer mundano é permanecer na morte. Por isso, é preciso pregar a mensagem da cruz pois, só a cruz pode nos levar a morrer para o mundo e o mundo para nós.

A questão que interessa então é: você já morreu para o mundo? O mundo ainda te atrai? Você ainda tem o mundo dentro de você? Você pensa como um mundano ou como um cristão? As coisas e as questões deste mundo ainda te consomem?

Quer saber o que o espírito do mundo faz? Lembra que, antes da crucificação, o povo gritou para Pilatos: “Fora com este!”. Pois é, o espírito do mundo quer, a qualquer custo, tirar Jesus de você. O mundo quer te ver fora de Cristo. Ele não deseja, de forma alguma, que Cristo viva em você.

Sutilmente ele trabalha para que o mundano lance fora o Senhor de sua vida. Você ainda acha o mundo inofensivo? Ainda não consegue ver que o mundo é nosso inimigo? Ainda acha que este assunto é irrelevante? Estar sob o espírito do mundo é fatal.

Um filme retratou um assassino entrando disfarçadamente no meio em que sua futura vítima vivia. Até armou uma situação onde ele foi o salvador da vítima.

Todos passaram a crer nele e até foi contratado com honras para proteger o patrão, sua futura vítima. Não deu outra, longe das vistas dos familiares da vítima, esse assassino disfarçado matou com crueldade a sua vítima.

Esta é a real situação das pessoas que ainda não creram na MENSAGEM DA CRUZ QUE DIZ:

ESTEJA CRUCIFICADO PARA O MUNDO E O MUNDO PARA VOCÊ.

 Pr. Mario Tsuyoshi Yamakami

Comunidade Bíblica Regenerada   –   Cristo vive em nós

Maringá, 13 de Maio de 2018.