Arquivos

HEBREUS 11 – ESTUDO XXXI

Abraão 23

p19d8uj8r8gup1fnv95ascoqb63 (1)Abraão e Sara nos ensinam uma preciosa lição: “a vida vem pela morte”.

Aos 86 anos, Abraão ainda tinha vida; por isso, não produziu a vida no espírito e sim, na carne. Gálatas 4:23 – “Mas o da escrava nasceu segundo a carne; o da livre, mediante a promessa”.

A verdadeira vida vem após a cruz. João 12:24 – “Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, caindo em terra, não morrer, fica ele só, mas se morrer, produz muito fruto”. Este é o princípio de Deus. Ele produz vida através da morte. Por isso, sem cruz, não há vida no espírito.

Aos 100 anos, Abraão estava com o corpo amortecido. Sexualmente falando, estava morto. Romanos 4:19 – “E, sem enfraquecer na fé, embora levasse em conta o seu próprio corpo amortecido, sendo já de cem anos, e a idade avançada de Sara”.

Só após a impotência é que Isaque veio. Isaque nos ensina que a vida segundo a promessa, vem após a falência humana. I Coríntios 15:36 – “Insensato! O que semeais não nasce, se primeiro não morrer”.

Muitas vezes temos receio de tomar a cruz, de morrer para nós mesmos. Mas precisamos crer que Deus age através da morte. Foi assim com o Senhor Jesus. A ressurreição veio após a crucificação. A cruz não é um fim em si mesma; ela é o início da nova vida.

Muitos tem medo da morte física; porém, ela é condição básica para se desfrutar da vida eterna junto do Senhor. Se desejamos estar com o Senhor então, é preciso primeiro morrer no físico. A morte física não é o fim; é o começo da verdadeira vida.

Filipenses 1:21 – “Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro”. No verso 23 ele diz que partir e estar com Cristo é incomparavelmente melhor. Leia I Coríntios 15:42-44, 49.

Precisamos entender que este corpo mortal não pode herdar o céu. I Coríntios 15:50 – “Isto afirmo, irmãos, que a carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção”.

I Coríntios 15:53-54 – “Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade. E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória”.

Creio que estas palavras de vida e esperança podem nos ajudar a tomar a nossa cruz dia após dia.

Abraão e Sara nos ensinam que a vida vem após a morte. Outra grande lição é a fé no Deus que vivifica os mortos. Romanos 4:17 – “como está escrito: Por pai de muitas nações te constituí, perante aquele no qual creu, o Deus que vivifica os mortos e chama à existência as coisas que não existem”.

Para poder vivificar, primeiro é preciso que esteja morto; para poder trazer à existência, primeiro é preciso que não exista. Mesmo nas circunstâncias de “morte”, é possível crer em Deus, como Abraão creu. Incrível a fé deste homem.

A cruz é o grande lance para morrermos a fim de vivermos. Romanos 6:3-5 mostra primeiro a morte e o sepultamento com Cristo. Só então fala da ressurreição com Ele. Este é um princípio básico no cristianismo bíblico. Primeiro a crucificação, depois a ressurreição. Sem cruz não há cristianismo, não há vida nova, não há vida no espírito, não há vida eterna.

Uma outra questão na vida de Abraão e Sara está ligada ao tempo de espera. Eles esperaram 14 anos para ter Isaque. Isaque é fruto do tempo e da ação de Deus.

Mas Ismael não foi assim. Eles não tiveram que esperar. Agar estava pronta para produzir a qualquer hora. É mais fácil produzir Ismael do que Isaque. As pessoas que não sabem esperar em Deus, que não sabem ir à cruz, quase sempre produzem Ismael.

Se somos escravos de nós mesmos e do pecado, é fácil produzir Ismael. É fácil fazer as coisas como Agar. Se formos como ela, não precisamos esperar por Deus; mas se somos como Sara, precisamos esperar em Deus.

Para produzir Isaque é preciso esperar pela promessa, pelo tempo e ação de Deus. É preciso morrer para si, é necessário tomar a cruz.

Aqueles que são como Agar farão muito, mas chegará o tempo em que não poderão mais fazer. Chegarão ao fim de si mesmos e ficarão frustrados porque não conseguem fazer como dantes. E tudo o que fizeram na carne, não aproveitará. Nada subsistirá, não frutificará. Será um fracasso total.

Na obra espiritual não é a quantidade que importa; mas, quem está fazendo. No reino espiritual, a obra do homem e a obra de Deus, são totalmente diferentes. Somente o que vem de Deus tem valor espiritual. Qualquer coisa que não venha Dele não subsistirá, não prestará, não frutificará para o bem.

O que é Ismael? Ismael é algo nascido prematuramente. É fazer as coisas por si mesmo sem Deus. Ismael tem duas coisas erradas: é uma obra feita em tempo errado e através de mãos erradas.

O princípio de Ismael não envolve tempo, não envolve promessa de Deus, não envolve a ação de Deus. É um princípio que gira em torno do próprio homem, da vontade do homem, da razão do homem. É um princípio carnal; por isso, não pode agradar a Deus.

O princípio de Isaque envolve o tempo, a ação, a vontade, o poder e a graça de Deus. É um princípio operado no Espírito de Deus e não na vontade do homem. O princípio de Isaque envolve primeiramente a morte da vontade do homem, seguido da operação de Deus.

O princípio de Ismael gera para a escravidão. Gálatas 4:24 – “Estas coisas são alegóricas; porque estas duas mulheres são duas alianças; uma, na verdade, se refere ao monte Sinai, que gera para escravidão; esta é Agar”.

O princípio de Isaque gera liberdade. Gálatas 4:31 – “E, assim, irmãos, somos filhos não da escrava, e sim da livre”.

Em qual princípio temos andado? Andemos no Espírito e, como Isaque, sejamos herdeiros. Gálatas 3:29 – “E, se sois de Cristo, também sois descendentes de Abraão e herdeiros segundo a promessa”.

Gálatas 4:28 – “Vós, porém, irmãos, sois filhos da promessa, como Isaque”.

Em Cristo somos filhos e herdeiros da promessa.

Pr. Mario Tsuyoshi Yamakami

Comunidade Bíblica Regenerada   –   Cristo vive em nós

Maringá, 29 de Março de 2017.

Anúncios

HEBREUS 11 – ESTUDO XXX

Abraão 22

hebrewsVivemos muitos anos segundo a carne e não segundo o Espírito. Só após o novo nascimento, começamos a experimentar as coisas do Espírito. Agora podemos discernir o que vem da carne e o que vem do espírito. Antes da cruz, tudo parecia tão igual, tão normal, tão natural. Agir na carne, falar na carne, viver na carne era nosso estilo de vida. Mas agora, estar na carne nos incomoda, nos entristece sobremaneira. Quando vivemos no Espírito de Cristo, tudo muda!

Vamos ver a diferença entre esses dois estilos de vida em Abraão. Gênesis 16:16 – “Era Abrão de oitenta e seis anos, quando Agar lhe deu à luz Ismael”. Nesse tempo, a energia carnal e a força natural de Abrão ainda estavam ativos. Abrão podia produzir filhos por sua própria natureza e vontade. Êita velhinho bala! Abrão produziu Ismael por sua própria natureza carnal. Gálatas 4:23 – “Mas o da escrava (Ismael) nasceu segundo a carne; o da livre (Isaque), mediante a promessa”. Que diferença brutal!

É incrível como a Bíblia distingue estes dois. Um foi gerado pela força do homem, outro no Espírito. Um foi gerado pela vontade carnal; outro, pela promessa de Deus. Um teve o homem no papel principal e Deus como coadjuvante. No outro caso, Deus estava conduzindo tudo, fazendo tudo; Deus era o principal e Abrão, mero coadjuvante. Quanta diferença entre eles! Nascer da carne é uma coisa; nascer do Espírito é totalmente diferente.

Aos 86 anos, Abrão era o cara; mas, agora, aos 100 anos, tornou-se coroa. Abrão não era mais potente; enquanto que o Senhor permanecia o mesmo. Abrão não podia mais gerar por si mesmo; agora, dependia do Senhor. Abrão estava impotente enquanto que, o Senhor permanecia o Todo Potente. Quanta diferença! Todos quantos confiam em si mesmos, um dia sucumbirão diante do Poderoso Deus.

Gênesis 21:5 – “Tinha Abraão cem anos, quando lhe nasceu Isaque, seu filho”. A Bíblia deixa claro que, Abraão, aos cem anos, estava totalmente impotente (Hebreus 11:12). Isto é, já não podia produzir filhos pela força da carne. Romanos 4:19 – “E, sem enfraquecer na fé, embora levasse em conta o seu próprio corpo amortecido, sendo já de cem anos, e a idade avançada de Sara”.

Sara sempre foi estéril e, agora, já estava velha demais com os seus 90 anos. Gênesis 17:17 – “Então, se prostrou Abraão, rosto em terra, e se riu, e disse consigo: A um homem de cem anos há de nascer um filho? Dará à luz Sara com seus noventa anos?”. Noventa anos é uma idade muito avançada para se ter um filho.

Olha como a fé no Senhor é preciosa. Abraão e Sara creram no Senhor. Hebreus 11:11 – Pela fé, também, a própria Sara recebeu poder para ser mãe, não obstante o avançado de sua idade, pois teve por fiel aquele que lhe havia feito a promessa”.  Que fé tremenda a Sara teve não? Depois de tudo e agora, tudo desmoronado, ela creu, incrível, fantástico!

Abraão e Sara conheceram o Deus Todo Poderoso. Gênesis 17:1 – “Quando atingiu Abrão a idade de noventa e nove anos, apareceu-lhe o Senhor e disse: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda na minha presença e sê perfeito”.

Quem conhece o Deus Todo Poderoso certamente verá que para Ele não há coisa demasiadamente difícil. Gênesis 18:14 – “Acaso, para o Senhor há coisa demasiadamente difícil? Daqui a um ano, neste mesmo tempo, voltarei a ti, e Sara terá um filho”.

Este é o Deus de Abraão; este é também o nosso Deus. Nele podemos confiar plenamente. Suas promessas jamais cairão por terra. Todas as promessas de Deus se cumprem na vida daquele que crê. Não apenas Sara mas, a própria Maria, mãe de Jesus, também creu nas promessas do Deus Todo Poderoso. Lucas 1:37 – “Porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas”.

Sara nos ensina que, aquele que crê, persevera e espera. Cremos que Sara desejou um filho por muitos anos. Naquela época, uma mulher não ter filhos era sinal de maldição, fracasso e rejeição por parte de Deus. Além do mais, era fundamental que uma mulher tivesse um filho para a sua subsistência em sua velhice. Um filho era muito precioso para uma mulher. Acredito que Sara esperou por muito tempo. A fé nos faz esperar. Deus age na vida daquele que tem fé, que não desanima e nem abandona o Senhor. A fé atua na vida dos que perseveram em crer no Senhor. A fé é desenvolvida com o passar do tempo. O próprio tempo é um instrumento de Deus para desenvolver a fé dos seus. Sara nos ensina a não desanimar nunca; a permanecer na fé até o fim.

Deus nos ensina que Ele é quem faz todas as coisas. Fazer Nele é fazer no Espírito; não na carne. O homem produz na carne; Deus faz no Espírito. A diferença é brutal! Muitos querem servir a Deus mas, ainda não aprenderam a mortificar a carne com os seus feitos. Deus não quer obras em seu nome sendo feitas na carne. Veja como Deus agiu com Abraão. Deus queria que Abraão fosse pai; pai de multidões. Porém, Deus queria que Abraão reconhecesse que ele próprio não podia ser um pai. Deus esperou pacientemente Abraão chegar a uma idade, a um tempo em sua vida em que ele reconhecesse que por si só não poderia ser um pai. Deus espera que você e eu cheguemos à falência de nós mesmos. Assim saberemos que Deus é o Pai, que Ele faz todas as coisas.

Para isso a cruz existe. Para que morramos para nós mesmos. Se não houvesse a cruz, Abraão, mesmo com 100 anos estaria tentando ter um filho à sua própria maneira. Infeliz daquele que não vai à falência de si através da cruz. Um homem que lutou a vida toda com as suas próprias forças será um homem derrotado, infeliz e frustrado. A cruz nos leva a um fim de nós mesmos e nos permiti experimentar a ação do Todo Poderoso Deus de Abraão.

Infelizmente, sem a cruz, o homem continua produzindo “Ismaeis”; continua trabalhando na carne. Isto desagrada a Deus. Mas Deus nos deu a cruz a fim de não mais agirmos na carne; mas Nele somente. Só desta maneira nossa vida produzirá “Isaques” para a glória de Deus.

Pela cruz, Deus nos tira da carne e nos coloca no Espírito. Sem cruz, a carne prevalece; pela cruz, o Espírito atua. Para aqueles que não creem na Palavra da Cruz, infelizmente Deus fará chegar a velhice e a falência com dores e sofrimentos. Mas aquele que crê na obra da cruz, cedo poderá experimentar a poderosa e eficiente obra de Deus em sua vida.

Que Deus nos dê discernimento para vermos que não vale a pena fazer na carne; apenas no espírito. Que aprendamos a crucificar a carne e a andar no espírito. Gálatas 5:24-25 – “E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito”.

Certamente a preciosa lição sobre servir no Espírito nos conduzirá à vida eterna. Gálatas 6:8 – “Porque o que semeia para a sua próprio carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna”.

Abraão diria: é no Espírito, não é na carne… vai por mim.

Pr. Mario Tsuyoshi Yamakami

Comunidade Bíblica Regenerada   –   Cristo vive em nós

Maringá, 22 de Março de 2017.

O CRUCIFICADO – Parte 01

cruz CARREGAR-A-CRUZI Pedro 2:21 – “Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em nosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos”.

Muitas vezes, depois de uma pregação sobre as virtudes do Senhor, desejamos também ser como Ele. Pedimos ao Pai para nos fazer mais manso, mais humilde, mais misericordioso, mais bondoso, mais santo. Mas nunca pedimos ao Pai para nos fazer um crucificado como Ele o foi.

Precisamos entender que, sem cruz, não podemos ser feitos parecidos com o Crucificado. Somente um viver pela cruz poderá nos transformar à imagem de Cristo. Se Cristo tomou sua própria cruz desde o início, porque achamos que não precisamos tomar a nossa?

Se Ele trilhou a Senda do Calvário, porque nós não? Se Ele disse para tomarmos nossa cruz e segui-Lo, porque não obedecê-lo? Porque suprimir aquilo que Ele viveu e falou com tanta ênfase? Atentemos para o Crucificado.

O apóstolo Paulo viveu e pregou o Cristo crucificado. I Coríntios 2:2 – “Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado”. Ele era um imitador de Cristo. I Coríntios 11:1 – “Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo”. Vamos olhar e imitar o Crucificado.

O Filho de Deus foi um crucificado desde a fundação do mundo. Apocalipse 13:8 – “e adorá-la-ão todos os que habitam sobre a terra, aqueles cujos nomes não foram escritos no Livro da Vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo”.

Cruz é morrer para si mesmo. Cruz é poder dizer: não mais eu vivo, mas Cristo vive em mim. Cruz envolve a morte do velho homem dentro de nós. Envolve a morte do ego, do mundo e do pecado. Tomar a cruz é não viver mais segundo os próprios interesses. O Senhor nos ensina a morrermos para nós a fim de vivermos para Ele. II Coríntios 5:15 – “E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou”. Somente a cruz possibilita a morte do ego e o viver para Jesus. Sem cruz seremos eternos egoístas vivendo para nós mesmos.

Olha o Crucificado – Ele se esvaziou de Si mesmo e se humilhou. Filipenses 2:7-8 – “antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz”.

Cruz é esvaziar-se de si mesmo; é morrer para si. A pessoa crucificada não se importa com a sua reputação, seu bem estar, seu sucesso, sua segurança. Ela não busca prazeres transitórios do pecado, não procura entretenimento no mundo, não fica apreensivo quanto a aprovação dos homens. A essência de sua vida não é mais o próprio ego; agora é o Senhor Jesus. Tomar a cruz é um contínuo esvaziar de si mesmo, um contínuo negar a si mesmo.

Quanto mais morremos para nós, mais Cristo se manifesta em nós. II Coríntios 4:10-12 – “levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo. Porque nós, que vivemos, somos sempre entregues à morte por causa de Jesus, para que também a vida de Jesus se manifeste em nossa carne mortal. De modo que, em nós, opera a morte, mas, em vós, a vida”. Isto é ser um crucificado! Esvaziar-se de si mesmo é fundamental para que a vida de Cristo se manifeste em nós.

Tomar a cruz é esvaziar-se de nós mesmos. Aqui está a partida para a verdadeira vida cristã. Este é o segredo para imitar Cristo. Na cruz começa a transformação que nos leva à semelhança do Crucificado. Para ser parecido com Jesus Cristo, o crucificado, é preciso esvaziar de si mesmo pela cruz. O Senhor Jesus, primeiro se esvaziou de si mesmo, para então assumir a forma de servo. Tem muitos que querem servir a Deus sem antes passar pela cruz. Por esta razão temos visto tantos pregadores prepotentes e carnais. Todo servo primeiro precisa esvaziar-se de si mesmo pela cruz.

O crucificado também humilha a si mesmo. Para o arrogante pecador, humilhar a si mesmo, parece uma coisa de outro mundo. O mundo prega o contrário daquilo que o Crucificado viveu e nos deixou como exemplo de vida. Pode ver que a grande maioria dos mundanos sequer pensou em humilhar a si mesmo uma única vez.

Mas o verdadeiro cristão, aquele que realmente deseja ser parecido com Jesus, que já se esvaziou de si mesmo; este não hesita em humilhar-se diante do humilde Crucificado.

Falamos e ouvimos tanto de cruz porém, temos, de fato, vivido humildemente como Cristo? Um crucificado é humilde, tal como o Crucificado. Mateus 11:29 – “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma”.

Uma pessoa crucificada não se gaba de si mesmo; pelo contrário, sabe que é totalmente indigno. Sabe que merece apenas a ira e a morte eterna. Jamais se esquece que é um pecador salvo pela graça de Deus. Ela jamais se exalta, não se considera mais do que os outros. Não olha de cima para baixo, não tem o nariz empinado. Romanos 12:16 – “Tende o mesmo sentimento uns para com os outros; em lugar de serdes orgulhosos, condescendei com o que é humilde; não sejais sábios aos vossos próprios olhos”.

Não encontramos na Bíblia versos que mostram que o Crucificado era soberbo e egocêntrico como a maioria dos reis foram. A soberba e a cruz não podem coexistir; o ego e a vida de crucificado não podem andar de mãos dadas.

Ao contemplar o Crucificado, veremos tão somente Alguém que não viveu para Si, que de fato entregou-se a si mesmo em nosso favor. O Crucificado não viveu para si mesmo, em nenhum momento. Ele deu a Si mesmo na cruz. Tito 2:14 – “o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniquidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras”. Hebreus 9:28 – “assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação”. Gálatas 1:4 – o qual se entregou a si mesmo pelos nossos pecados, para nos desarraigar deste mundo perverso, segundo a vontade de Deus e Pai”. Efésios 5:2 – “e andai em amor, como também Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave”. I Timóteo 2:6 – o qual a si mesmo se deu em resgate por todos; testemunho que se deve prestar em tempos oportunos”.

Ao olharmos para o Crucificado, aprendemos que um crucificado precisa entregar-se à Deus e ao próximo por amor. É servir e, se necessário, dar a própria vida em favor dos seus amigos, como o próprio Crucificado fez (João 15:13). I João 3:16 – “Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar nossa vida pelos irmãos”.

O nosso Crucificado não só humilhou a Si mesmo como também, tornou-se obediente até à morte de cruz. Um crucificado precisa aprender a obedecer a Deus em tudo. Jesus Cristo, o Crucificado, mesmo sendo o Filho de Deus, aprendeu a obediência através do sofrimento. Hebreus 5:8 – “embora sendo Filho, aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu”. Não pode haver um crucificado desobediente e rebelde. Cristo, o nosso Crucificado, foi obediente até à morte de cruz. Se Ele não fosse obediente, todos estaríamos irremediavelmente perdidos. A obediência do Crucificado resultou em nossa salvação eterna. Quem sabe, sua plena obediência à Deus, também redunde na salvação de muitos para a glória de Deus.

TOMAR A CRUZ NOS FAZ MAIS SEMELHANTES AO CRUCIFICADO.

Pr. Mario Tsuyoshi Yamakami

Comunidade Bíblica Regenerada   –   Cristo vive em nós.

Maringá, 19 de Março de 2017.