Arquivos

RAZÕES PARA NÃO PECAR – Jim Elliff

3785198242_cd66de897cPorque…

Um pequeno pecado leva a mais pecados.

O meu pecado trás a disciplina do Senhor

O tempo gasto no meu pecado é desperdiçado para sempre.

O meu pecado nunca agrada a Deus; pelo contrário, entristece-o.

O meu pecado coloca um fardo imenso sobre os meu lideres espirituais.

No devido tempo, o meu pecado vai produzir tristeza em meu coração.

Estou fazendo o que não devo fazer.

O meu pecado sempre me torna menor do que eu poderia ser.

Os outros, incluindo minha família, sofrem consequências com meu pecado.

O meu pecado entristece os santos.

O meu pecado causa alegria nos inimigos de Deus.

O meu pecado me engana, fazendo me acreditar que ganhei, quando, na realidade, eu perdi.

O pecado pode impedir que eu me qualifique para a liderança espiritual.

Os supostos benefícios de meu pecado nunca superam as consequências da desobediência.

O arrepender-me do meu pecado é um processo doloroso, mas será necessário.

O pecado é um prazer momentâneo em troca de uma perda eterna.

O pecado pode influenciar outros a pecar.

O meu pecado pode impedir que os outros conheçam a Cristo.

O meu pecado menospreza a cruz, sobre a qual Cristo morreu com o objetivo específico de remover o meu pecado.

É impossível pecar e seguir o Espírito Santo, ao mesmo tempo.

Deus escolheu não ouvir as orações daqueles que cedem ao pecado.

O pecado rouba minha reputação e destrói o meu testemunho.

Outros, mais sinceros do que eu, são prejudicados por causa dos meus pecados.

Todos os habitantes do céu e do inferno testemunharão sobre a tolice deste pecado.

A culpa e o pecado podem afligir minha mente e causar danos ao meu corpo.

O pecado misturado com adoração torna insípidas as coisas de Deus.

O sofrer por causa do pecado não tem alegria nem recompensa.

O meu pecado constitui adultério com o mundo.

Embora perdoado, eu contemplarei novamente o pecado no Tribunal do Juízo, onde a perda e o ganho das recompensas eternar serão aplicados.

Eu nunca sei por antecipação quão severa poderá ser a disciplina para meu pecado.

O meu pecado pode indicar que ainda estou na condição de uma pessoa perdida.

Pecar significa não amar a Cristo.

Minha indisposição em rejeitar este pecado lhe dá autoridade sobre mim, mais do que estou disposto a acreditar.

O pecado glorifica a Deus somente quando Ele o julga e o transforma em bem.

 

Então, vamos tratar seriamente com o pecado. Leia e medite: I João 3:4-10.

Que a Comunidade Bíblica Regenerada, através do Senhor Jesus receba o arrependimento e a remissão dos pecados (Atos 5:31 e 17:30,31).

Deus tenha misericórdia de nós.

 

jim11_crop_Jim Elliff é o fundador e presidente da organização Christian Communicators Worldwide. Durante quase vinte anos, antes de começar a CCW, ele serviu como membro da junta pastoral de várias igrejas na Florida, Arkansas, Texas e Oklahoma. Desde 1985, tem ministrado palestras em organizações, ambientes educacionais, igrejas e associações de pastores de várias denominações, nos Estados Unidos e outros países. Muitas de suas conferências aconteceram na Europa, com viagens ocasionais e países da America do Sul e Central, e cinco viagens à África. É o autor de três livros publicados em vários países: Guiados pelo Espírito, Ao encontro de Deus e Fé Inútil (no Brasil, pela Editora Fiel). Atualmente, ele serve como membro da diretoria da Fellowship of Independent Reformed Evangelicals e faz parte da junta de conselheiros do Ministério Passeggio (Itália) e da Editora Fiel (Brasil). Além de seus escritos e viagens, Jim começou a Christ Fellowship em 2003. Esta igreja singular é constituída de congregações em lares na área metropolitana da Kansas City.

 

Anúncios

ATIVO OU INATIVO?

ATIVO_OU_INATIVOOntem, dia 27/12/2015, assisti ao jogo das “estrelas” … um tanto apagadas, mas vamos lá. Zico, o anfitrião da festa, ex-craque rubro-negro, ídolo nos anos 80 tinha em seu time (vermelho) quatro jogadores em atividade. Por outro lado, o time de branco era recheado de ex-craques como o Djalminha, Edmundo, Renato Gaúcho, Paulo Nunes e outros mais. No início, ao ver os dois times em campo, não dava para saber qual estava melhor. Eu apenas desconfiava que o time do Zico sairia vencedor, afinal, é a “estrela da festa”. Percebi que os dois times estavam bons; conhecia os jogadores de ambos os times; todos verdadeiros craques do passado. No início do jogo minha esposa perguntou qual estava mais forte. Minha resposta foi: o time de vermelho porque tem quatro jogadores em atividade.

A diferença era brutal entre os ativos e os inativos. Zé Roberto do Palmeiras, Lucas Lima, Elias e Juan estavam sobrando em campo. Só dava eles e mais o Zico. Mas, mesmo entre eles e o Zico havia um abismo de diferença física. O ex-craque Zico, logicamente pela sua idade, totalmente inativo, pois não disputa uma Copa do mundo a décadas, só no primeiro tempo perdeu 4 gols feitos. Em tempo de atividade, teria feito de “olhos fechados”, com toda a facilidade do mundo. O único gol que fez teve a decisiva participação dos “ativos” Lucas Lima e Zé Roberto. Eles deram o gol “açucarado”, “de bandeja” para o Zico, que só teve o trabalho de empurrar a bola para o gol. Foi o gol mais fácil da partida; mais fácil até mesmo que o gol do seu neto. A inatividade do Zico o levou a perder um pênalti.

Onde estavam os ex-craques do time branco? Foram totalmente ofuscados pelos “ativos” do time vermelho. Cansaram rapidamente, não corriam, não driblavam, não conseguiam fazer jogadas eficientes. Quando chutavam a bola em direção ao gol, ela mal chegava nos pés do adversário, de tão fraco que ia; Junior, o maestro que o diga. Os inativos estavam ineficientes, fracos, exaustos, frustrados, chateados e derrotados. Quanta diferença entre os “ativos” e os “inativos”. Se não fora o coleguismo dos ativos, que colocaram o pé no freio, certamente teria sido uma sacolada de gols, uma goleada histórica.

Você está “ativo” ou “inativo” na vida cristã? Isto faz toda a diferença nesta vida. Temos um adversário forte, satanás, e ele não brinca em jogo. Ele adora “massacrar” os que são de Cristo Jesus. Zico teve uma marcação bem frouxa no jogo; por isso podia receber e tocar a bola com tranquilidade. Mas o nosso inimigo não dá moleza! Se você estiver inativo, certamente “levará um carrinho e poderá ter a perna quebrada”. O inimigo joga sujo, para ele não existe regras e nem lealdade. Ele não sabe o que é “fair play”, jogo limpo, jogo honesto. Ele quer apenas “trucidar” o adversário; por isso, se eu fosse você, procuraria estar “em atividade”, em boas condições, em constante forma espiritual. A diferença entre o cristão que está sempre em atividade espiritual, sempre em oração e meditação da Palavra, em louvor e adoração, em comunhão com Jesus Cristo e Sua igreja e, os crentes que tiram férias neste período do ano, é brutal. O inimigo vai atacar o lado dos mais fracos. Se você é um lateral direito fora de forma, ele vai atacar encima de você. Vai querer te humilhar como o Zé Roberto fez com o Renato Gaúcho ao aplicar-lhe um chapeuzinho.

Estar ativo na vida cristã é de fundamental importância. O jogador Douglas Costa do Bayer de Munich e da seleção brasileira, está passando as férias no Rio Grande do Sul. Apesar das férias dos jogos na Alemanha, aqui ele não se descuida. Seu treinador é também um marcador que não lhe dá sossego. Treino diário e não tem boca! Douglas não quer estar em baixa, não quer perder a vaga e ficar na reserva. Ele se cuida, ele treina diariamente, ele está ativo, firme, e quer continuar sendo um vencedor.

Somente os cristãos ativos serão mais que vencedores, pois só eles permanecem em Cristo, por meio de quem temos a vitória sobre o inimigo. Permanecer em Cristo todos os dias, ter profunda e ininterrupta comunhão com Ele e Sua Palavra é fundamental para cada um de nós. Esta é a nossa prioridade! Viver em louvor e adoração, em meditação da Palavra, em reunião com a igreja é crucial para todos. Não se descuidem! Entre no quarto, feche a porta e abra a Bíblia. Desfrute deste precioso tempo com o Salvador. Só assim você manterá a forma espiritual para vencer o inimigo.

I Coríntios 1:9 – “Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor”.

PERMANEÇA SEMPRE ATIVO NA VIDA ESPIRITUAL!

Com carinho,

Pr. Mario Tsuyoshi Yamakami

EU NÃO QUERO MORRER

O maior problema do homem é ele mesmo. Eu sou a minha maior dificuldade e o maior conflito. Em inglês, eu, se escreve com um I maiúsculo, pois eu não posso admitir, nessa língua, que eu seja minúsculo. Eu sempre quero ser o maior, o visto e reconhecido.

waterAí de mim! Meu coração é meu maior inimigo. Eu nunca fico contente quando a minha vontade não é satisfeita. Eu estou sempre magoado quando sou contrariado. Eu, e ninguém mais, sou a causa da minha causa não ter uma causa sem custo pra mim. Vivo o tempo todo fazendo tudo para que eu seja totalmente visto por todos.

O meu eu é tão absoluto que ele chama a atenção dos outros até mesmo ao se desestimar. Uma das táticas mais egoístas é fingir a humildade. A pessoa pode parecer o bicho da goiaba só para despertar os olhares de uma plateia distraída. Eu sou o centro do mundo e jogo com todas as cartas para não perder a partida. Eu me basto o bastante!

E como posso me libertar de mim? De mim mesmo não posso me livrar, pois o que posso fazer, só posso, porque posso me exaltar. Eu não posso permitir que eu tenha que sair do palco. O eu não se desestima, sem antes se estimar. Não há possibilidade do eu se salvar de si mesmo. Na cirurgia, não sou eu que me opero, é o médico.

O eu tem que ser extirpado. A vida cristã não sou eu quem vive, mas é o Cristo quem vive em mim. Não sou eu que me converto, mas sou convertido pelo Espírito Santo. Eu não me salvo, sou salvo pela graça. Não me santifico, sou santificado pela suficiência do Altíssimo. Se a Trindade não fosse Onipotente eu não seria salvo da minha autonomia.

O cristianismo autêntico é uma viagem sem o eu, ainda que – comigo. Meu ego tirano precisa ser tirado na cruz com Cristo. Não há lugar para esse obeso na canoa: ou o eu sai, ou a fé cristã afunda na hipocrisia. O velho Adão não tem postura de renúncia.

Uma vez salvo, salvo para sempre, e, salvo de mim. Que bênção! Alguém disse que a depravação do ego é o grande obstáculo à fé, mas, a graça é a maneira pela qual a Trindade supera esse obstáculo. Só o Deus Absoluto pode absolutamente salvar-nos dos absolutismos do nosso eu, mantendo-nos fora de quaisquer possibilidades de governo.

O espírito da cruz tem muito mais a ver com o desmonte do ego, com os seus surtos de vaidade, do que qualquer outro inimigo da saúde espiritual. Ninguém pode ter o mínimo de sanidade psíquica sob a dominação insaciável de si mesmo. O egoísmo não é apenas pecado, mas encontra-se na raiz de todo pecado.

Na cruz, com Cristo, o eu foi crucificado e a Bíblia, assim, o diz. Por outro lado, aquele, que foi salvo de si, precisa levar o morrer de Jesus em seu corpo, para que a vida de Cristo se manifeste em seu modo de viver. Mendigos da graça, não temos alternativa: ou o eu sai, na cruz, ou Cristo não vive em nós.

Do velho mendigo do vale estreito,

Glenio.

Extraído do blog VALE.estreito